“Fonte da Raiva” estreia em fevereiro no Teatro São Luiz

Se a vida é madrasta, como diz o adágio, nesta peça tudo aponta nesse sentido. Dor, incompreensão, maledicência, revolta e raiva moram na aldeia que serve de pano de fundo a esta encenação de Cucha Carvalheiro. Para ver de 1 a 12 de fevereiro no São Luiz, em Lisboa.

© Estelle Valente

Inspirado em “Danças a um Deus Pagão”, de Brian Friel, “Fonte da Raiva”, sobe ao palco do Teatro São Luiz, em Lisboa, sob a forma de cenas curtas intercaladas pela intervenção da narradora, interpelando diretamente o público.

Amélia é filha de mãe branca e pai negro. Decide regressar às ruínas da casa onde nasceu, em Fonte da Raiva, uma das aldeias mais pobres de Portugal. A ação decorre em 1962 e evoca memórias desse verão – o verão de todas as mudanças. “O império português, desde a queda de Goa, o assalto ao Santa Maria e o início da guerra colonial, iniciara a sua lenta agonia, no ano anterior”, lê-se na sinopse disponível no site.

Se o texto original situa a ação numa Irlanda em mudança de uma tradição rural que se começa a industrializar, nesta encenação de Cucha Carvalheiro é o Portugal continental, a emigração em massa e o recrutamento de homens para a guerra que enquadram a trama. A sangria de homens em idade “casadoira” deixa muitas noivas por casar e os postos de trabalho nas fábricas são assegurados pela mão de obra feminina.

O tio de Amélia, missionário em Angola, regressa repentinamente. Diz sofrer de malária, mas tudo aponta para que tenha sido expulso pelas autoridades por defender a independência das colónias e se ter convertido ao paganismo. O pai, um negro hedonista e fanfarrão, é expulso da universidade por ter participado numa manifestação do Dia do Estudante. Espera-o Angola e a morte, no Tarrafal, após ter sido acusado de deserção.

Numa terra profundamente conservadora, o nascimento clandestino de Amélia fez cair ainda mais em desgraça as cinco irmãs. A miséria ronda qual uma hiena.

A irmã mais velha dá aulas e é o principal sustento da casa, mas as posições políticas e religiosas do irmão ditam o seu afastamento do ensino. Duas das suas tias fogem sem deixar rasto, na sequência da abertura de uma fábrica concorrente nas imediações de Fonte da Raiva. Augusta, a tia lésbia e a preferida de Amélia, emigra para França para não ser massacrada pelo escárnio e maldizer dos habitantes da aldeia. Resta Ana, a mãe solteira de Amélia, condenada a trabalhar na fábrica para sustentar os estudos da filha. Sozinha e amargurada.

Bruno Huca, Cucha Carvalheiro, Inês Rosado, Joana Campelo, Júlia Valente, Leonor Buescu, Luís Gaspar e Sandra Faleiro dão voz e corpo a “Fonte da Raiva”, que estará em cena de 1 a 12 de fevereiro no Teatro São Luiz, em Lisboa.

 

Recomendadas

“Uma Barreira Contra o Pacífico” é uma reflexão sobre memória, cidadania e sustentabilidade

As fotografias a preto e branco de Alice F. Martins são o registo visual de uma cidade que sobreviveu, quase intacta, ao grande sismo de 2011. Caso de estudo para responder à pergunta “como é que o Japão se prepara para o risco quase permanente de destruição?”

O amor não escolhe horas, mas convém saber a quantas anda

A nova coleção da Swatch inclui o modelo Especial Dia dos Namorados ‘Recipe for Love’, e dois modelos adicionais: ‘Purest Love’ e ‘Love To Go Around’. No verso da caixa do primeiro, pode ler-se uma receita: “Encha o coração de amor, magia, interesse e confiança. Misture com alegria e junte magnetismo e um toque suave. Por fim, decore com beijos. Demore o tempo que for necessário – uma única noite ou uma vida inteira”.

Casino Estoril celebra noite de São Valentim com jantar romântico no restaurante “Bistrô”

Enquadrado numa área privilegiada do Casino Estoril, o restaurante “Bistrô” situa-se próximo da entrada principal do Salão Preto e Prata, distinguindo-se pelo seu ambiente acolhedor e informal.
Comentários