Forbes: Ana Botín, presidente do Santander, é mais poderosa que Isabel II e Ivanka Trump

A presidente do Banco Santander aparece em oitavo lugar na lista da Forbes sobre as mulheres com maior poder em 2018. É a primeira a ter alguma coisa a ver com Portugal.

A lista das mulheres mais poderosas do mundo da revista norte-americana Forbes serve para se entender quem verdadeiramente tem poder no feminino – mesmo que esse poder não seja em muitos casos uma questão de género, mas apenas do lugar e da posição que foi alcançada. Mas há quem ‘não tenha culpa’ do lugar onde está – como seja o caso de Isabel II, que quando nasceu já sabia que seria rainha de Inglaterra, com todo o manancial de poder que isso acarreta – e quem tenha ascendido por mérito próprio.

Num mundo em que os homens estão habituados a mandar, há alguns ‘mundos’ onde esse ascendente é ainda mais evidente e difícil de contrariar. É isso que faz de algum modo a diferença na categoria da espanhola Ana Botín, a presidente do Banco Santander, que na última lista da Forbes para as 100 mulheres mais poderosas do mundo aparece na posição número 8.

A lista é encabeçada pela chanceler alemã Angela Merkel, que assim mantem o seu título pelo oitavo ano consecutivo – mas que de certeza o perderá dentro de pouco tempo, quando sair do lugar que ocupa, talvez em 2021, se os alemães conseguirem levar a legislatura até ao fim, o que está longe de ser garantido.

Merkel é seguida de perto pela primeira-ministra britânica Theresa May – que também pode estar em ‘fim de vida’ no que diz respeito à influência, mas que mantém o segundo lugar pelo segundo ano consecutivo; o terceiro é preenchido por Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional; o quarto lugar é ocupado pela CEO da General Motors, Mary Barry; e no quinto lugar por Abigail Johnson, CEO da Fidelity Investements. Ana Botín é a primeira mulher da lista que tem diretamente a ver com Portugal – por via da posição que o ‘seu’ banco ocupa na economia nacional.

A lista da Forbes, a décima oitava da sua história, tem também, como sempre, mulheres que não estão nem na política nem nos negócios, como a ‘entretainer’ Oprah Winfrey (20º) ou Serena Williams (79º).

Os membros da lista deste ano de 2018 representam mulheres em seis categorias: negócios (27), tecnologia (18), finanças (12), media e entretenimento (16), política (22) e filantropia (5). No total, as mulheres mais poderosas controlam cerca de 2 mil milhões de dólares em receita e supervisionam cinco milhões de funcionários.

A lista de 2018 abrange mais de seis gerações de mulheres influentes, com Taylor Swift como o mais nova (28 anos) e a rainha Elizabeth II de Inglaterra como a mais velha (92 anos). A América do Norte assegura 50 mulheres na lista, a Ásia-Pacífico tem 20, a Europa (incluindo a Rússia e a Turquia) tem 17 (mais sete do Reino Unido), o Médio Oriente três e a África uma.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa fazem greve de 24 horas em 12 de outubro

“Vamos fazer uma greve no dia 12, de 24 horas”, indicou Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

Conselho de Ministros gastou um milhão em equipamento informático

Um mês depois de o NOVO ter noticiado que o Conselho de Ministros gastou um milhão em equipamento informático, a Polícia Judiciária entrou na sede da Presidência do Conselho de Ministros para fazer buscas. O alvo principal da operação é o próprio secretário-geral, David Xavier, suspeito de corrupção na aquisição de sistemas informáticos para o Estado.
Comentários