Forças russas começaram a retirar-se da central nuclear de Chernobyl

Segundo um alto funcionário do Pentágono, o exército russo começou a reposicionar-se de Chernobyl, deslocando-se para a Bielorrússia, mas não consegue dizer “se estão todos a ir embora”.

As forças russas começaram a retirar-se da central nuclear de Chernobyl, que controlam desde os primeiros dias da invasão na Ucrânia, e do aeroporto de Gostomel, perto de Kiev, revelou, esta quarta-feira, fonte do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

De acordo com um alto funcionário do Pentágono, o exército russo começou a retirar-se do aeroporto de Gostomel, a noroeste de Kiev, e está a reposicionar-se de Chernobyl, deslocando-se para a Bielorrússia.

“Entendemos que estão a sair, mas não consigo dizer se estão todos a ir embora“, acrescentou a mesma fonte, citada pela agência France Presse (AFP) e que falou sob a condição de anonimato.

Desde 9 de março que a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) deixou de receber dados diretamente da central nuclear onde ocorreu em 1986 o maior acidente radioativo da história.

Ainda no domingo, a agência das Nações Unidas voltou a manifestar preocupação com a falta de rotatividade dos funcionários desta central desde 20 de março.

A agência para o nuclear da ONU, indicou na terça-feira, que o seu diretor-geral está na Ucrânia para discutir com responsáveis do governo a disponibilização de “assistência técnica urgente” para garantir a segurança das instalações nucleares do país.

Desde o início da ofensiva militar russa, há mais de um mês, Rafael Grossi tem alertado para os perigos desta guerra, a primeira num país com uma grande capacidade nuclear — 15 reatores em quatro centrais em atividade e vários depósitos de resíduos nucleares.

As forças russas controlam ainda a maior central nuclear da Europa, em Zaporijia.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, tinha revelado que “menos de 20%” das forças russas cujo avanço na região em torno de Kiev foi impedido pelo Exército ucraniano “começaram a reposicionar-se em direção à Bielorrússia”.

“Estimamos que se estão a reposicionar na Bielorrússia. Não temos um número exato, mas esta é nossa estimativa preliminar”, acrescentou John Kirby em conferência de imprensa.

O responsável norte-americano alertou que as palavras da Rússia sobre uma desescalada em torno de Kiev ainda não estão a ser cumpridas.

O porta-voz do Pentágono explicou que para os Estados Unidos estas movimentação não significam uma retirada, mas uma tentativa da Rússia em reabastecer e reposicionar as suas tropas.

O diretor de comunicação do Departamento de Defesa norte-americano lembrou que Rússia estabeleceu como meta priorizar a região do Donbass, no leste ucraniano.

A Rússia também anunciou, após conversações na terça-feira com negociadores ucranianos em Istambul, que iria reduzir as suas atividades em torno de Kiev e Chernihiv num gesto para aliviar a pressão e ajudar as conversações a encaminhar-se para um acordo.

Apesar da intenção de desescalada manifestada por Moscovo, o governador de Chernihiv, Viacheslav Chaus, disse, esta quarta-feira, que os ataques russos contra as infraestruturas civis continuaram durante a noite.

 

Recomendadas

Bruxelas prepara plano de emergência para precaver corte total de gás russo (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, anunciou hoje perante o Parlamento Europeu que o seu executivo vai apresentar este mês um plano de emergência europeu para precaver um eventual corte total de fornecimento de gás russo.

Modelo, atriz e sniper. Quem era a brasileira que perdeu a vida na Ucrânia?

Thalita do Valle, de 39 anos, lutava ao lado das forças ucranianas em Kharkiv. A cidade foi atacada e a mulher não resistiu.

Erdogan vai “intensificar” negociações para garantir exportação de cereais da Ucrânia

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse esta terça-feira que pretende “intensificar” as negociações com Rússia e Ucrânia para garantir um acordo sobre o plano da ONU para a exportação de cereais ucranianos para o mercado mundial.
Comentários