Forças ucranianas entram em Kherson após retirada russa

O exército ucraniano entrou hoje em Kherson, após a retirada das forças russas, e o Ministério da Defesa já pediu ao soldados inimigos para se “renderem imediatamente”.

“Kherson regressou ao controlo ucraniano. Unidades das Forças Armadas ucranianas entraram na cidade”, declarou o Ministério, num comunicado divulgado na rede social Facebook.

O Ministério também pediu aos soldados russos para permanecerem no local e “renderem-se imediatamente”, prometendo “preservar a vida e a segurança” daqueles que o fizerem.

“Os vossos líderes dizem-vos para vestirem roupas civis e tentarem fugir, por conta própria. Evidentemente, não terão sucesso. Qualquer soldado russo que resista será eliminado. Apenas têm uma solução para evitar a morte: renderem-se imediatamente”, prometeu o Governo ucraniano, no comunicado.

A retirada das forças russas ocorre seis semanas depois de o Presidente Vladimir Putin ter anexado a região de Kherson e três outras províncias ucranianas, prometendo que estas regiões permaneceriam russas para sempre.

O Kremlin insiste que a retirada não representa de forma alguma um constrangimento para os planos de Putin e que Moscovo continua a considerar toda a região de Kherson como parte da Rússia.

Hoje, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse ainda que a Rússia não se arrepende de ter realizado festividades há pouco mais de um mês para comemorar a anexação de regiões ocupadas ou parcialmente ocupadas da Ucrânia.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Recomendadas

Ucrânia. Fundadora de ONG Nobel da Paz 2022 quer Putin em tribunal por crimes de guerra

A representante de uma das organizações que receberam este ano o Prémio Nobel da Paz defendeu hoje que o Presidente russo, Vladimir Putin, enfrente um tribunal internacional como criminoso de guerra pelo “genocídio” na Ucrânia.

Navalny classifica de “vergonhosa” pena de oito anos de cadeia a opositor russo

A condenação hoje do opositor russo Ilya Yashin a oito anos e meio de prisão por criticar a ofensiva militar contra a Ucrânia é “um veredicto vergonhoso”, denunciou o também opositor Alexei Navalny.

Marcelo lembra que há vários focos de guerra e critica UE por ter estado em “autocontemplação”

O Presidente da República considerou hoje que a União Europeia esteve em “autocontemplação” e “continua a não saber encontrar maneira de se relacionar com África”, relembrando que, além da Ucrânia, há outros focos no mundo que ameaçam a paz.
Comentários