“Fórmula tem de ser refeita”. Costa admite divergências com Centeno sobre orçamento da zona euro

De acordo com António Costa, existem “problemas” nesta proposta do Eurogrupo para o BICC, já que “a fórmula [deste instrumento] foi mal desenhada” e “tem de ser refeita”.

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu hoje divergências com o presidente do Eurogrupo e também ministro português das Finanças, Mário Centeno, sobre o orçamento da zona euro, devido à “fórmula mal desenhada” deste instrumento, mas afastou “constrangimentos”.

“Não há nenhum constrangimento entre o primeiro-ministro de Portugal e o presidente do Eurogrupo, visto que ao primeiro-ministro de Portugal compete representar os portugueses e os seus interesses e ao presidente do Eurogrupo compete representar a vontade geral do Eurogrupo”, declarou António Costa, falando aos jornalistas no final de uma cimeira do euro, em Bruxelas, na qual foi discutido o instrumento orçamental para a convergência e competitividade da zona euro (BICC, na sigla inglesa).

De acordo com António Costa, existem “problemas” nesta proposta do Eurogrupo para o BICC, já que “a fórmula [deste instrumento] foi mal desenhada” e “tem de ser refeita”.

Por essa razão, garantiu, Portugal não dará aval ao BICC como está definido.

“É conhecido que Portugal tem uma divergência com esta proposta do BICC como foi configurado no Eurogrupo”, admitiu António Costa, notando que, da forma como foi aprovado pelos ministros das Finanças da zona euro, este instrumento inclui “uma cláusula de justo retorno de 70% em função da quota ideal de contribuições de cada um dos países para o orçamento da União Europeia [UE]”.

De acordo com o governante, “isto faz com que verdadeiramente deixe de ser um instrumento de convergência e passe a ser um mecanismo de ‘rebate’”.

Relacionadas

Mário Centeno garante que “houve progresso” na reforma da zona euro no último semestre

Mário Centeno disse esta sexta-feira que a união bancária tem um “novo impulso”. Os ministros das Finanças europeus vão trabalhar para acordar as condições para introduzir um sistema de garantia de depósitos e “integração dos mercados bancários”.

Eurogrupo repete avisos da Comissão: espera OE2020 o mais depressa possível

O grupo de ministros das Finanças da zona euro, presidido por Mário Centeno, apela à semelhança da Comissão Europeia que o Governo apresente medidas para garantir que o país não viola o objetivo orçamental de médio prazo. 
Recomendadas

Restaurantes da AHRESP vão assegurar alimentação dos peregrinos da Jornada Mundial da Juventude

A AHRESP vai apoiar a Fundação na “definição das regras de funcionamento da rede de restaurantes e similares que irão assegurar o fornecimento de refeições para os participantes da Jornada Mundial da Juventude e contactar restaurantes e similares para promover a sua adesão à rede, bem como promover o uso do Guia de Boas Práticas da Restauração e Bebidas junto da rede”, lê-se no comunicado.  

AHRESP: “O sector ainda está muito aquém das potencialidades das ferramentas digitais”

A secretária-geral da AHRESP diz, ao Económico Madeira, que para produzir riqueza é preciso existir “condições e ambientes” favoráveis. “Se esmagamos as empresas com um conjunto de encargos, custos de contextos, impostos, as empresas não conseguem produzir riqueza. E como elas foram criadas para isso então fecham as portas. Então nem emprego nem riqueza”, reforça Ana Jacinto.

AHRESP: “A nossa economia só cresce se o turismo crescer”

A secretária-geral da AHRESP diz, ao Económico Madeira, que é preciso ter um turismo que deixe “mais valor e que deixe mais receitas” no país, e salienta que o sector é a locomotiva da economia.
Comentários