Fornecedor da Apple e grandes tabaqueiras na lista de empresas com denúncias de trabalho infantil

A lista da MSCI inclui 62 empresas a nível mundial, como a Foxconn e a British American Tobacco.

Um dos principais fornecedores da Apple, a Foxconn, e grandes tabaqueiras mundiais, como a British American Tobacco, a Japan Tobacoo e a Imperial Brands estão na lista da MSCI das 62 empresas que têm denúncias de trabalho infantil.

Ainda que a compilação da MSCI não tenha provas dos casos reais de trabalho infantil – seja, portanto, um conjunto de referências a alegações de ONGs e meios de comunicação social – a polémica surgiu depois de a uma investigação do Financial Times (FT) ter concluído que a Foxconn estava a apostar em mão-de-obra estudantil barata em setembro para fazer face a todas as encomendas e à escassez de trabalhadores, que estava a gerar atrasos na produção do iPhone X.

Depois de o assunto ter vindo a público, a Foxconn pôs fim aos estágios em idade escolar que eram caracterizados por horas extras e ilegais de trabalho na fábrica chinesa de Zhengzhou. Agora, a mesma publicação vai além deste caso e refere que o problema causou a preocupação de que muitas outras empresas pudessem estar expostas a danos reputacionais e a desafios legais por causa do trabalho infantil.

O FT conta esta segunda-feira que a MSCI tem uma lista de 62 empresas a nível mundial com alegações deste crime e que a empresa está preocupada com o facto de as mesmas poderem apontar para outras questões de corporate governance não resolvidas, preocupando os investidores institucionais a longo prazo. “A má gestão dos riscos relacionados com o trabalho infantil pode estar ligada a uma falta geral de supervisão de risco”, afirmou ao diário Leslie Swynghedauw, associada sénior da MSCI e uma das responsáveis pela análise.

No mês passado, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou um estudo, desenvolvido com a Fundação Walk Free em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), que identifica mais de 40 milhões de pessoas em todo o mundo como vítimas da escravidão moderna em 2016. Destas, cerca de 25 milhões encontrava-se em trabalho forçado e 15 milhões em casamentos forçados.

A organização alerta que, se não houver um maior esforço por parte dos governos, o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável que visa a erradicação da escravidão até 2025 não será alcançado. As estimativas mostram que as mulheres e as crianças do sexo feminino são as mais afetadas pela escravidão moderna, representando quase 29 milhões – 71% do total.

Relacionadas

Há 40 milhões de escravos no mundo: OIT pede mais empenho no combate

Estimativas do estudo da OTI mostra que as mulheres e as crianças do sexo feminino são as mais afetadas pela escravidão moderna, representando quase 29 milhões – 71% do total.
Recomendadas

Fundação Repsol apoia o empreendedorismo com prémio de 60 mil a 100 mil euros

Em Portugal já participaram e submeteram candidaturas 117 startups sendo que, até ao momento, quatro receberam investimento do Fundo de Empreendedores para desenvolverem os seus projetos.

Insolvências de empresas caem 5,7% em janeiro face ao mesmo mês de 2022

A filial da Crédito y Caución salienta no entanto que “face ao mesmo período do ano passado, as declarações de insolvência requeridas por terceiros cresceram 26% (mais 16 empresas), enquanto as declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas tiveram uma subida de 10% (mais sete empresas)”.

“Faz mais sentido que seja alguém fora da família”. Mercadona discute sucessão do presidente

A CEO da Mercadona Online assume que não vai candidatar-se ao lugar do pai na sucessão do cargo de presidente da empresa de distribuição alimentar. “Faz mais sentido ser um executivo do que alguém da família”, referiu numa entrevista em podcast de uma startup espanhola.
Comentários