Fórum de Davos começa hoje com participação recorde de líderes

O título da reunião deste ano é “Cooperação num mundo fragmentado”, adequado para procurar soluções para a atual crise económica, energética e de alimentos, segundo a organização.

Davos 2020 | DR

O Fórum Económico Mundial começa hoje a sua reunião anual, em Davos, que decorre até ao próximo dia 20, sendo esperada uma assistência recorde, com 52 chefes de Estado e de Governo.

O título da reunião deste ano é “Cooperação num mundo fragmentado”, adequado para procurar soluções para a atual crise económica, energética e de alimentos, segundo a organização.

“Para resolver as causas profundas de perda de confiança, precisamos de reforçar a cooperação entre governos e setor privado, criando condições para uma recuperação forte e sustentada”, disse o fundador e presidente executivo do Fórum, Klaus Schwab, ao apresentar esta 53.ª edição.

A organização indicou que vai contar com 2.700 representantes de 130 países, tendo destacado a participação de mais de meia centena de chefes de Estado e de Governo, incluindo o chanceler alemão, Olaf Scholz, os presidentes da Colômbia, Gustavo Petro, das Filipinas, Ferdinand Marcos, e da África do Sul, Cyril Ramaphosa, além da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

A China indicou que o vice-primeiro-ministro Liu He, considerado o “arquiteto” da política económica chinesa dos últimos anos, assistirá à reunião.

Quase um ano após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o conflito e os seus efeitos nas políticas mundiais de energia e de defesa vão ocupar boa parte dos debates em Davos.

Com os russos ausentes pelo segundo ano consecutivo, é esperada na Suíça uma delegação ucraniana e o Presidente Volodymyr Zelensky tem prevista uma intervenção à distância.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Bolsa da Turquia suspensa pela primeira vez em 24 anos

O sismo que atingiu İzmit, a 90 quilómetros de Istambul, em 1999, levou ao encerramento da bolsa turca durante uma semana.

Lula da Silva investe contra Banco Central do Brasil e diz que a sua independência é “bobagem”

Presidente brasileiro tem vindo a criticar o Banco Central por manter a taxa de juro nos 13,75%, apesar de a inflação estar abaixo dos 6%. Desde 2021 que a instituição está blindada do poder político, mantendo a sua independência face a Brasília.
Comentários