Fórum Seguros: “Dinheiro gerado deve ser investido em fundos que contribuem para a neutralidade carbónica”

Sofia Santos sublinhou o papel que as seguradoras têm, tendo em conta os riscos de transição, para ajudar os seus clientes a incorporar os riscos climáticos através dos produtos apresentados.

Cristina Bernardo

“É fundamental que o dinheiro que se gera seja investido em fundos e empresas que contribuem para a neutralidade carbónica”, defendeu Sofia Santos, professora do ISEG e fundadora da Systemic, no Fórum Sector Segurador 2022, promovido pelo Jornal Económico.

Num painel dedicado à sustentabilidade no sector dos seguros, a economista especializada em financiamento verde, climático e sustentável afirmou que o sector pode contribuir para este desafio de variadas formas, listando, entre os principais objetivos a nível corporativo, a compensação das suas emissões, olhando para o desafio como uma “oportunidade” que pode “promover a dinamização da economia.

Sofia Santos sublinhou o papel que as seguradoras têm, tendo em conta os riscos de transição, para ajudar os seus clientes a incorporar os riscos climáticos através dos produtos apresentados.

José Galamba de Oliveira, Presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, sublinha que a sustentabilidade “não é um tema novo para as seguradoras, tendo tido “um papel histórico de preocupação, nomeadamente para o risco climático.

“É uma temática que vem de trás, está na agenda de todos. Existe muita regulação que está a ajudar contribuir para um enquadramento, que é indutora de bons comportamentos e práticas. É um sector que investe muito à escala global, incentivando a boas práticas”, explicou, sublinhando que a sustentabilidade é um tema “caro” para o sector.

Segundo Galamba de Oliveira, a “incorporação de riscos climáticos é algo que está a acontecer de forma global em todo o sector”.

Questionado sobre de que forma pode a guerra na Ucrânia na agenda de sustentabilidade do sector dos seguros, o dirigente considera que o sector pode ter um papel muito importante na transição energética, com a descarbonização a médio prazo.

Joaquim Simplício, Administrador da Mútua dos Pescadores, explicou que o tema da sustentabilidade “não é um tema de hoje nem de ontem, mas sim de décadas”, num negócio em que a pesca se faz representar em 70%.

“Não selecionamos riscos que tem práticas agressivas, ilegais e que podem pôr em causa a própria sustentabilidade, a questão reputacional. Se aceitarmos riscos que rompem com esses princípios e com políticas agressivas e risco superior”, explicou.

Nas palavras de Angel Macho, Chief Business Office Espanha/Portugal da Berkley, a “sustentabilidade é um tema-chave para as seguradoras. “Há estudos que apontam para mais de 100 mil milhões de dólares associados a eventos catastróficos decorrentes das alterações climáticas”, o que está diretamente ligado à “indústria seguradora”.

Segundo Macho, existe também uma razão “reputacional”: “as empresas estão a mudar a sua forma de mostrar ao mundo as suas ações mais sustentáveis. Não é só um tema macro, mas também micro, que tem de ser abordado por todos os tipos de empresa e dimensão”.

Por sua vez, Oscar Herencia, Vice-Presidente do Sul da Europa e Diretor Geral da MetLife Ibéria, deu a conhecer de que forma o grupo Metlife dá o seu contributo para o caminho da sustentabilidade.

“Nos seus 154 anos de história, a MetLife sempre mostrou um compromisso enorme com a sociedade e com um mundo melhor”, explicou Herencia.

Atualmente, o grupo tem 11 compromissos organizados em vários grupos, propondo-se a conseguir ter operações neutrais em termos de carbono, reduzir as emissões dos gases de efeitos de estufa e obter a certificação de sustentabilidade para os nossos edifícios e escritórios”.

Até 2030, o grupo vai investir 500 milhões de dólares no desenvolvimento de soluções climáticas inovadoras.

Além disso, a MetLife tem vindo a consciencializar os clientes, parceiros e fornecedores para a importância das regras seguidas internamente no caminho da sustentabilidade.

 

 

 

 

Relacionadas

Alteração da percepção de risco foi ponto positivo da pandemia, destaca responsável da Prévoir Portugal

No painel “Novos Paradigmas: ramo vida e seguros de pensões”, do Fórum Seguros organizado pelo Jornal Económico, debateram-se as perspectivas de futuro para estes dois ramos. A literacia financeira mas também as exigências dos novos consumidores são temas que estão no foco das seguradoras.

Doenças crónicas, prevenção e preços mais altos são os principais desafios dos seguros de saúde

“Chamamos seguro de saúde, mas na verdade estamos a financiar o tratamento da doença”, lamentou o CEO da AdvanceCare no evento “Fórum Seguros 2022”, organizado pelo Jornal Económico.

Fórum Seguros. Veja o maior encontro anual do sector segurador, organizado pelo JE

Evento conta com as participações da presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões e dos líderes das maiores seguradoras que operam em Portugal, entre muitas outras figuras de relevo do sector.
Recomendadas

Eficiência energética na linha da frente para reduzir dependência de Putin

Governo e empresas analisam o atual momento da eficiência energética. Defendem que chegou a altura de Portugal e a Europa acelerarem para desligar a ficha de Moscovo e do regime de Vladimir Putin. Sector energético português está comprometido com metas.

Wimbledon: João Sousa e o australiano Jordan Thompson afastados em pares

O tenista português João Sousa e o australiano Jordan Thompson foram hoje eliminados na segunda ronda de pares de Wimbledon.

Itália alerta para subida de preço da energia por fecho do Nord Stream

O ministro da Transição Ecológica italiano, Roberto Cingolani, alertou hoje que se espera um novo aumento do preço da energia em Itália depois de a Rússia anunciar o fecho do gasoduto Nord Stream para manutenção, adiantou a EFE.
Comentários