Fóssil encontrado na Madeira esclarece quando é que as formigas chegaram à ilha

Apesar de serem relativamente comuns no registo fóssil continental, nas ilhas oceânicas os fósseis insetos são extremamente raros, e até agora fósseis de formigas tão antigos eram completamente desconhecidos.

Um fóssil encontrado na ilha da Madeira revela a existência de formigas nesta ilha há pelo menos um milhão e trezentos mil anos atrás. Trata-se do fóssil mais antigo de uma formiga encontrado numa ilha de origem vulcânica e o primeiro registo para as ilhas da Macaronésia (isto é, Madeira, Açores, Canárias e Cabo Verde).

O estudo foi assinado por Carlos Góis-Marques (Universidade Complutense de Madrid, Espanha), Pedro Correia (Universidade de Coimbra), André Nel (Muséum National d’Histoire Naturelle, França), José Madeira (Universidade de Lisboa) e Miguel Menezes de Sequeira (Universidade da Madeira).

O artigo foi publicado online na segunda-feira, dia 5 de dezembro, no jornal científico internacional “Historical Biology”.

Até agora desconhecia-se quando é que estes insetos chegaram à ilha da Madeira. Segundo a bibliografia, as formigas são dispersoras muito pouco eficazes, sendo que a travessia de oceanos por via aérea ou mesmo por jangadas naturais são tidos como eventos raros. A nível mundial existem arquipélagos que não têm formigas nativas, como é o caso do arquipélago do Havai, onde todas as espécies agora encontradas foram introduzidas por via humana.

O fóssil madeirense agora descrito é um fragmento de uma asa de uma formiga alada e foi encontrado em sedimentos datados com um milhão e trezentos mil anos. Este fóssil tem uma importância internacional pois demonstra que afinal, na ilha da Madeira, uma espécie de formigas conseguiu cruzar o oceano e chegar à ilha da Madeira de modo natural (isto é, sem intervenção humana). Igualmente, trata-se do fóssil mais antigo de uma formiga encontrado numa ilha de origem vulcânica.

Apesar de serem relativamente comuns no registo fóssil continental, nas ilhas oceânicas os fósseis insetos são extremamente raros, e até agora fósseis de formigas tão antigos eram completamente desconhecidos.

Tendo em conta a antiguidade da presença de formigas na ilha da Madeira, este estudo propõe que são necessários estudos para compreender se existe coevolução de interações de formigas com as plantas endémicas do arquipélago da Madeira, especialmente na dispersão de sementes.

Esta publicação resulta dos trabalhos de investigação de Carlos Góis-Marques, realizados nos laboratórios do Grupo de Botânica da Madeira, na Faculdade de Ciências da Vida da Universidade da Madeira. Carlos Góis-Marques é atualmente professor visitante na Unidade de Botânica da Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade Complutense de Madrid (Espanha) e colaborador no Grupo de Botânica da Madeira e do Instituto Dom Luiz, na Universidade de Lisboa.

Recomendadas

JPP questiona PSD e CDS se estão do lado do povo ou da empresa Vinci sobre decisão do Tribunal quanto ao Aeroporto

A sentença que obriga à inscrição da infraestrutura do Aeroporto da Madeira na matriz “é, além de justa, uma importante verba que pode ser aplicada para a melhoria da qualidade de vida e as baixas tributações”, destacou o parlamentar, “mas que pode ser objeto de recurso por parte do Governo”, relembrou.

Madeira: PS contra suspensão do PDM no Funchal

Em conferência de imprensa realizada esta manhã, Sérgio Gonçalves sublinhou a existência de carências habitacionais, destacando dados recentes que indicam que os funchalenses não conseguem comprar casa no Funchal, em particular a classe média e os mais jovens.

JPP: Filipe Sousa e Élvio Sousa reconduzidos como presidente e secretário-geral

No congresso do JPP foi pedido o envolvimento de todos para as eleições regionais bem como o combate aos “interesses obscuros que pululam” na Região.
Comentários