Fotógrafo que captou homicídio de embaixador russo: “Pensei que fosse encenação”

Burhan Ozbilici registou o homicídio do embaixador russo na Turquia, Andrei Karlov, e confessou à CNN que demorou “alguns segundos para entender o que tinha acontecido”.

O fotógrafo turco nem sequer tinha planeado ir à inauguração da exposição na galeria de arte mas, a caminho de casa, resolveu entrar e fazer algumas fotos do diplomata para arquivo. Quando Andrei Karlov iniciou o discurso, Burhan aproximou-se para fotografá-lo e nesse instante, Mevlüt Mert Altintas, de 22 anos, sacou a arma e atirou pelas costas de Karlov. Foram pelo menos oitos disparos. “Ouvi som de tiros, muito alto – bam bam bam” contou Burhan Ozbilici à rede americana CNN.

“Demorei alguns segundos para entender o que tinha acontecido: um homem havia morrido na minha frente, uma vida havia desaparecido diante dos meus olhos”, revelou o fotógrafo.

“Fiquei atordoado e pensei que fosse uma encenação”, disse. As pessoas começaram a gritar e esconderam-se atrás de colunas e debaixo das mesas. “Eu tive medo, mas encontrei um lugar para me esconder e fazer meu trabalho: tirar fotos”, disse Ozbilici.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários