Fraco investimento europeu empurra novos unicórnios para Estados Unidos, conclui estudo

Em Portugal, existem atualmente sete unicórnios avaliados em mais de 41,5 mil milhões de dólares. Estudo da Atomico revela que a maioria dos unicórnios nascidos na Europa continua a tornar-se norte-americano.

A maioria dos unicórnios nascidos na Europa continua a ganhar nacionalidade norte-americana a partir das primeiras ronda de levantamento de capital que envolvem montantes significativos, como foi o caso da Anchorage, o mais recente unicórnio com origem em Portugal, e de todos os outros, excetuando a Feedzai.

Esta é a principal conclusão do relatório divulgado, esta segunda-feira, pela Atomico, um dos maiores fundos europeus de venture capital, onde explica que os investidores privados europeus “ainda apostam pouco nos fundos de venture capital que investem nas empresas com grande potencial de crescimento” nomeadamente os unicórnios que são empresas que são avaliados em mais de mil milhões de dólares.

Tendo em conta o fraco investimento europeu “os fundos de venture capital norte-americanos, melhor capitalizados, e também os da Ásia, investem nas empresas europeias abrindo caminho para levarem a suas sedes e a sua cotação em bolsa para fora do continente europeu”.

Embora o avanço dos asiáticos seja significativo são os norte-americanos que continuam a apostar no mercado europeu e a vê-lo como uma grande oportunidade, “liderando o capital investido em tecnológicas europeias, principalmente em investimentos iguais ou superiores a 100 milhões de dólares”, diz a Atomico.

Em Portugal, onde os sete unicórnios com ADN português valem mais de 41,5 mil milhões de dólares, o Governo quer contrariar a tendência e vai contar com a colaboração da Associação Portuguesa de Capital De Risco (APCRI) para promover o investimento privado nestes fundos e remover obstáculos regulatórios que o impeçam.

Sobre este fenómeno, Stephan Morais, da direção da APCRI, refere que “as startups europeias desenvolvidas por fundos privados de Venture Capital – entre elas, os unicórnios – são uma boa classe de ativos, com rentabilidades muito superiores a outros investimentos”.

“Os unicórnios nascem em Portugal, empregam pessoas em Portugal, contribuem para a segurança social e para a economia portuguesa, mas vão quase todos sedear-se nos Estados Unidos e animar o seu mercado de capitais, em vez de o fazerem deste lado Atlântico”, assegura Stephan Morais.

No total, os unicórnios nacionais valem mais de 41,5 mil milhões de dólares — com a Farfetch a liderar, com uma avaliação na ordem dos 14,5 mil milhões de dólares, seguida da Talkdesk (com uma avaliação de 10 mil milhões de dólares), da Outsystems (9,5 mil milhões de dólares), Anchorage Digital (3 mil milhões de dólares), Sword Health (mais de 2 mil milhões de dólares), Feedzai (1,5 mil milhões de dólares) e Remote (mil milhões de dólares).

Relacionadas

E vão sete. Anchorage encaixa 350 milhões e é o novo unicórnio com ADN português (com áudio)

A empresa cripto fundada por Diogo Mónica fechou uma ronda de financiamento série D, liderada pela norte-americana KKR, que lhe permitiu ultrapassar a avaliação de 3 mil milhões de dólares (cerca de 2,7 mil milhões de euros). O objetivo passa também por apostar no talento nacional.

Sword Health é o mais recente unicórnio português após encaixar mais 189 milhões de dólares (com áudio)

A startup com sede no Porto, que desenvolveu uma solução digital para tratamento de patologias músculo-esqueléticas, está agora avaliada em 2 mil milhões de dólares (aproximadamente 1,8 mil milhões de euros) e quer recrutar 300 trabalhadores nos próximos meses.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.
Comentários