França abate mais de 600 mil aves num mês devido à gripe aviária

Mais de 600 mil aves foram abatidas em França desde o primeiro caso de gripe aviária detetado numa exploração no final de novembro, noticia hoje a agência France-Presse (AFP).

De acordo com dados provisórios do Ministério da Agricultura, citados pela AFP, foram identificados 26 surtos do vírus em explorações, principalmente no sudoeste de França, 15 casos em animais selvagens e três casos numa quinta.

A França, como muitos países europeus, está a ser, mais uma vez, afetada neste inverno pela influenza aviária, conhecida como gripe aviária, altamente patogénica, transmitida por aves migratórias.

No ano passado, esta epizootia causou quase 500 surtos, que resultaram no abate, muitas vezes, preventivo de cerca de 3,5 milhões de aves, principalmente patos.

Desde que foi detetado pela primeira vez em 26 de novembro no norte de França na cidade de Warhem, a gripe aviária afetou outras explorações no norte e atingiu o sudoeste do país, onde a maioria dos casos está agora concentrada.

“Desde o dia 16 de dezembro, quando o primeiro surto do tipo H5N1 foi confirmado no sudoeste numa exploração de patos na cidade de Manciet, nas Gers, 22 novos surtos foram identificados nos Pirenéus Atlânticos”, informou o ministério num comunicado à imprensa na noite de quinta-feira.

As explorações foram despovoadas e desinfetadas, acrescentou o ministério.

Serão aplicadas restrições adicionais para limitar o contágio “numa área elevada no Sudoeste”, cuja extensão deve ser especificada por decretos provinciais.

Dentro desse perímetro, os criadores não poderão receber novos pintainhos ou patinhos nas suas explorações “até ao dia 7 de janeiro”.

“Essas medidas podem ser prorrogadas, tendo em vista a evolução da situação sanitária”, alertou o ministério.

Recomendadas

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.
Comentários