França: eleições de junho intensificam luta política à esquerda

Na expectativa de aumentar a sua presença parlamentar, as forças de esquerda – a França Insubmissa, os Verdes, os socialistas e os comunistas – querem estabelecer uma plataforma de entendimento. Que, pelo menos para já, aparenta ser um projeto cheio de dificuldades.

Jean-Paul Pelissier/REUTERS

Passada a primeira crise política associada ao período eleitoral em que a França se encontra – com a vitória de Emmanuel Macron sobre a candidata de extrema-direita Marine Le Pen – segue agora o seu curso a segunda crise, que tem diretamente a ver com as eleições parlamentares que ocorrerão em junho. Com uma vitória bem menos sumarenta que há cinco anos, os partidários de Macron sabem que é possível que venham a ter de partilhar o próximo governo com outras forças políticas. E essas forças, num quadro em que os republicanos gaulistas não estão no seu melhor momento, pode pender para esquerda, onde Jean-Luc Mélenchon não deixará de pontificar.

Neste contexto, e tal como sucede noutras geografias, a esquerda francesa está, segundo os jornais gauleses, a entrar em confrontação – uma vez que as várias fações, que não conseguiram uma união que poderia ter levado Mélenchon à segunda volta das presidenciais, continuam a digladiar-se.

As discussões estão acelerando e endurecendo na esquerda, com vista a um possível acordo para as eleições legislativas. Enquanto o França Insubmissa (LFI), de Mélenchon, e o Partido Socialista (‘desaparecido’ nas presidenciais) iniciaram negociações na manhã desta quarta-feira, a situação tornou-se tensa com os ambientalistas do EELV (Europa Ecológica).

Em um comunicado de imprensa divulgado há poucas horas, o LFI critica que “durante quarenta e oito horas vários líderes da EELV reconsideraram publicamente os importantes compromissos programáticos assumidos pela sua direção durante a nossa primeira reunião em 21 de abril”. “A partir de agora, a EELV não está mais claramente comprometida com a reforma aos 60 anos para todos, com o congelamento dos preços dos combustíveis e com a aplicação do princípio da desobediência na Europa, quando tudo isso é essencial para aplicar o nosso programa”, lamenta o LFI.

Entretanto, o líder da EELV, Julien Bayou, e a porta-voz do partido ambientalista, Eva Sas, responderam ponto a ponto a essas acusações. E dizem que continuam a concordar com a reforma aos 60 anos e com o bloqueio dos preços dos combustíveis “se isso for temporário”, mas propõem colocar o princípio da desobediência na Europa “fora do acordo”. “Não é uma linha vermelha absoluta, mas não pode levar a uma saída da União, nem a uma União à la carte”.

Enquanto as duas formações dirimem as suas desavenças, ganha cada vez mais força uma reunião entre ambos, mas alargada aos socialistas e aos comunistas do PCF. Para Julien Bayou, este encontro a quatro é “é muito desejável”.

 

Recomendadas

Rússia expulsa 34 diplomatas europeus

A situação poderá estender-se ao corpo diplomático espanhol, dado que Sergey Lavrov convocou esta quarta-feira o embaixador espanhol em Moscovo, Marcos Gómez.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Zelensky invoca ‘O Grande Ditador’ de Chaplin em Cannes

“O cinema vai ficar calado ou vai falar sobre isto? Se houver um ditador, se houver uma guerra pela liberdade, novamente, tudo depende da nossa unidade. O cinema pode ficar de fora?”, questionou. Por fim, disse que a sua crença é a mesma do clássico cinematográfico: “a liberdade não morrerá”.
Comentários