França/Eleições: Mélenchon reclama vitória e diz que partido presidencial foi “desfeito”

O líder da coligação que junta várias forças de esquerda – designadamente a França Insubmissa, o Partido Socialista francês, o Partido Comunista francês e a Europa Ecologia Os Verdes – considerou que, nesta primeira volta, o partido presidencial “foi derrotado e desfeito”.

Lionel Bonaventure/REUTERS

O líder da coligação de esquerda Nupes, Jean-Luc Mélenchon, reclamou hoje vitória na primeira volta das eleições presidenciais, considerando que o partido presidencial foi “desfeito” e apelando à mobilização na segunda volta para construir um “futuro de harmonia”.

“No fim desta primeira volta, a Nupes está à frente: estará presente em mais de 500 círculos eleitorais na segunda volta”, declarou Jean-Luc Mélenchon, no espaço “La Fabrique Événementielle”, onde decorre a noite eleitoral da Nupes, no norte de Paris, reagindo às primeiras projeções dos resultados eleitorais.

O líder da coligação que junta várias forças de esquerda – designadamente a França Insubmissa, o Partido Socialista francês, o Partido Comunista francês e a Europa Ecologia Os Verdes – considerou que, nesta primeira volta, o partido presidencial “foi derrotado e desfeito”.

“Pela primeira vez na Quinta República, um Presidente recentemente eleito não consegue ter uma maioria absoluta na eleição legislativa que lhe sucede”, frisou.

Mélenchon apelou assim que o povo se mobilize para a segunda volta das eleições legislativas, afirmando que o resultado da primeira volta cria uma “oportunidade extraordinária” para o “destino comum da pátria”.

“Mobilizem-se para escancarar as portas do futuro, um futuro para o qual se mobilizaram tantas gerações antes da nossa. Esse futuro é um futuro de harmonia entre seres humanos, livres das dominações sociais, culturais e de género. É um futuro de harmonia entre os seres humanos e a natureza”, sublinhou.

As primeiras estimativas da primeira volta das eleições legislativas em França dão a coligação de esquerda liderada por Jean-Luc Melénchon e o partido de Emmanuel Macron com cerca de 25% dos votos, com muitos duelos na segunda volta.

Entre as estimativas feitas com os primeiros resultados saídos das mesas de voto que fecharam às 18:00, já que nas grandes cidades fecharam às 20:00 (19:00 em Lisboa), os gabinetes de estudos apontam para uma igualdade na primeira volta das eleições legislativas, com cerca de 25% de votos, uma perda para o partido de Emmanuel Macron.

A União Nacional de Marine Le Pen poderá ser a terceira força política podendo chegar aos 20%.

De forma a vencer na primeira volta, o vencedor tem de reunir 50% dos votos que representem pelo menos 25% dos eleitores inscritos. Quando isto não acontece, passam à segunda volta, que se realiza no dia 19 de junho, todos os candidatos que tenham obtido votos equivalentes a mais de 12,5% dos inscritos ou os dois candidatos mais votados.

Assim, os resultados desta noite não vão definir completamente a configuração da Assembleia Nacional nos próximos cinco anos, já que tudo se joga na segunda volta das eleições legislativas, em 19 de junho.

A Nupes é uma coligação eleitoral liderada por Jean-Luc Mélenchon que junta vários partidos de esquerda, partilhando um programa comum e ultrapassando rivalidades históricas entre partidos de esquerda radical, como a França Insubmissa, e partidos sociais-democratas pró-europeus, como o Partido Socialista francês.

O acordo atual partiu da iniciativa da França Insubmissa, liderada por Jean-Luc Mélenchon que, na primeira volta das eleições presidenciais, em 11 de abril, obteve 21,95% dos votos, tornando-o no líder incontestado da esquerda em França.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários