França emite mandato de captura para ex-CEO da Renault

O porta-voz de Carlos Ghosn considerou a medida como “surpreendente”, argumentando que o antigo CEO “sempre colaborou com as autoridades francesas”.

Carlos Ghosn

O antigo chefe-executivo da dona da Nissan, Renault e da Mitsubishi diz estar “surpreendido” com as notícias de que em França foi emitido um mandato internacional para a sua detenção, avança a “BBC”.

O porta-voz de Carlos Ghosn considerou esta sexta-feira a medida como “surpreendente” uma vez que “Ghosn sempre colaborou com as autoridades francesas”.

Os procuradores emitiram um mandato contra o empresário franco-brasileiro e outras quatro pessoas por existirem 15 milhões de euros em pagamentos suspeitos. Ghosn já tinha enfrentado acusações de má conduta financeira quando fugiu do Japão em 2019.

Carlos Ghosn, o antigo chefe da Nissan, e de uma aliança entre a Renault, a Nissan e a Mitsubishi Motors, foi preso pela primeira vez sob a acusação de má conduta financeira em 2018, por alegadamente ter reportado incorretamente o seu salário durante cinco anos até 2015, tendo negado sempre ter cometido qualquer crime.

O responsável falou anteriormente da sua fuga dramática do Japão, que envolveu disfarçar-se para passar despercebido pelas ruas de Tóquio, estar escondido numa grande caixa de equipamento de música e fugir para o seu país natal enquanto aguardava julgamento.

Um juiz de instrução em França, já emitiu cinco mandados de detenção internacionais contra Ghosn e quatro pessoas ligadas a um distribuidor de automóveis em Omã.

De acordo com o “Wall Street Journal”, os procuradores alegam que Ghosn desviou fundos da Renault através da Suhail Bahwan Automobiles. Alegam ainda que usou o dinheiro para compras pessoais, incluindo o de um iate.

O advogado, Jean Tamalet, disse à “BBC” que o mandado de detenção emitido pela procuradoria de Paris, fazia parte de uma investigação que já durava há algum tempo.

Recomendadas

Avalanche em Itália mata pelo menos sete pessoas. Draghi culpa as alterações climáticas

A região tem registado temperaturas excecionalmente altas nos últimos dias. “O calor é incomum”, disse o porta-voz do serviço de resgate, Walter Milan, observando que os termómetros atingiram 10°C no pico da montanha nos últimos dias.

Ucrânia precisa de 750 mil milhões de dólares para plano de recuperação

“Hoje, as perdas diretas de infraestrutura da Ucrânia chegam a mais de cem mil milhões de dólares. Quem vai pagar pelo plano de renovação, que já está a ser avaliado em 750 mil milhões?”, questionou o primeiro-ministro do país, Denys Shmygal.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 4 de julho

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários