França estabelece distância mínima de 20 metros entre campos tratados com pesticidas e casas

Estas medidas entram em vigor já a 1 de janeiro de 2020, exceto para as culturas semeadas antes dessa data, para as quais as distâncias de segurança entrarão em vigor em 1 de julho de 2020 (o que não inclui os pesticidas mais perigosos).

O governo francês estabeleceu uma distância mínima de 20 metros entre residências e áreas agrícolas em que são utilizados alguns pesticidas mais perigosos, anunciou a 20 de dezembro o Ministério da Transição Ecológica e Inclusiva de França.

Para os outros pesticidas, a distância será de 10 metros para culturas altas, como, por exemplo, videiras, árvores e arbustos ou frutas pequenas. A distância de 5 metros diz respeito às chamadas culturas baixas, como vegetais. Essas distâncias correspondem às recomendações da Agência Francesa de Segurança da Saúde (ANSES) anunciadas em junho passado.

Estas medidas entram em vigor já a 1 de janeiro de 2020, exceto para as culturas semeadas antes dessa data, para as quais as distâncias de segurança entrarão em vigor em 1 de julho de 2020 (o que não inclui os pesticidas mais perigosos). Pode continuar a ler o artigo aqui.

Recomendadas

Oceanos. Presidente da República destaca papel pioneiro de Portugal nas renováveis

“No caso de Portugal, fomos pioneiros em muitos campos, como as renováveis. Quando começámos a substituir outras formas de energia alguns disseram éramos tolos, não éramos, agora queremos antecipar as metas internacionais”.

DGRM vai promover venda de 743 quilos de alabote congelado que foi apreendido

Para participar da venda, cujo valor mínimo é de 2.125 euros, pressupõe-se a prévia aceitação das condições estipuladas e envio de proposta até ao dia 13 de maio de 2022.

Marcelo elogia Cavaco e aponta Conferência dos Oceanos como “oportunidade única”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou esta segunda-feira o seu antecessor, Aníbal Cavaco Silva, considerando que deu “projeção cimeira ao mar”, e apontou a Conferência dos Oceanos como uma “oportunidade única” para Portugal.
Comentários