França nega “obstáculo” às exportações russas e vê “instrumentalização”

A presidência francesa defendeu hoje que não existe “obstáculo” às exportações de produtos agrícolas russos, considerando as críticas nesse sentido do chefe de Estado da Rússia, Vladimir Putin, uma tentativa de “instrumentalização política”.

“Do nosso ponto de vista, não há nenhum obstáculo legal vinculado a sanções [ocidentais contra a Rússia], nenhum obstáculo operacional à exportação de cereais russos”, salientou a presidência francesa (Palácio do Eliseu) no final de uma conversa telefónica entre o chefe de Estado francês Emmanuel Macron e o homólogo russo.

Para o Palácio do Eliseu, existe “da parte da Rússia um desejo de instrumentalizar politicamente esta questão”.

Vladimir Putin criticou hoje, durante o telefonema com Emmanuel Macron, os “obstáculos” que persistem na exportação de produtos agrícolas russos, apesar do acordo assinado no mês passado sob mediação internacional.

Durante a conversa, Putin “sublinhou os obstáculos que persistem sobre as exportações russas, que não contribuem para uma solução dos problemas relacionados com a segurança alimentar global”, avançou o Kremlin.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse hoje em Odessa, no sul Ucrânia, que, além da libertação de cereais e fertilizantes produzidos neste país, é preciso permitir o acesso ao mercado global de alimentos russos que não são alvo de sanções internacionais.

Falando em conferência de imprensa após uma visita ao Porto de Odessa, Guterres afirmou, numa alusão à iniciativa de libertação de cereais retidos pela guerra na Ucrânia através do Mar Negro, que é necessário “desimpedir o acesso ao mercado global de alimentos e fertilizantes russos que não estejam sob sanções”.

“Sem fertilizantes em 2022, pode não haver comida suficiente em 2023”, declarou, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas ucraniano, Olexander Kubrakov.

Ainda na conversa de hoje, os chefes de Estado russo e francês concordaram em acelerar os preparativos para uma visita dos peritos da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) à central nuclear de Zaporijia, na Ucrânia, a fim de avaliar o impacto dos combates na área circundante.

“Putin e Macron sublinharam a importância de enviar esta missão para Zaporijia o mais rapidamente possível”, confirmou o Kremlin, numa declaração citada pela agência noticiosa russa TASS.

A Rússia “confirmou que está pronta para prestar toda a assistência necessária aos inspectores da AIEA”, segundo a mesma fonte.

A presidência francesa, por sua vez, declarou que Macron “apoiou o envio o mais rápido possível de uma missão de especialistas da AIEA, nas condições aprovadas pela Ucrânia e pelas Nações Unidas”.

Macron e Putin devem voltar a dialogar “nos próximos dias sobre o assunto [da central de Zaporijia], após contactos entre as equipas técnicas e antes do desdobramento da missão”, segundo o Eliseu.

Relacionadas

Putin queixa-se a Macron dos “obstáculos” que permanecem às exportações agrícolas russas

O Presidente russo, Vladimir Putin, criticou hoje, durante uma conversa telefónica com o seu homólogo francês Emmanuel Macron, os “obstáculos” que persistem na exportação de produtos agrícolas russos, apesar do acordo assinado no mês passado sob mediação internacional.
Recomendadas

Ucrânia: Lavrov acusa Ocidente de imitar Hitler ao fornecer armas a Kiev

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, acusou hoje o Ocidente de imitar Hitler, ao usar a Ucrânia como “instrumento de guerra” contra a Rússia, como a Alemanha fez contra a URSS na Segunda Guerra Mundial.

NATO promete à Rússia resposta “firme e unida” em caso de ataque a infraestruturas (com áudio)

“Qualquer ataque deliberado contra infraestruturas críticas da NATO terá uma resposta firme e unida”, disse Stoltenberg em declarações à cadeia norte-americana NBA, ao ser questionado perante a possibilidade de uma eventual sabotagem ao gasoduto Nord Stream 1.

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.
Comentários