França pede presença da ONU em Aleppo

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Marc Ayrault, pediu esta quarta-feira a presença de observadores das Nações Unidas na cidade síria para supervisionarem a retirada de civis e combatentes rebeldes.

“França pede observadores das Nações Unidas para haver garantia de que a retirada de civis é uma prioridade, mas também para que os combatentes não sejam massacrados”, disse Jean-Marc Ayrault ao canal de televisão France 2.

“É preciso também que organizações humanitárias como a Cruz Vermelha, a Unicef, possam intervir”, acrescentou. Segundo o ministro, “a confusão é total” no terreno.

Um acordo para a retirada de civis e de combatentes insurgentes da cidade de Alepo foi alcançado na terça-feira com o Governo de Damasco, anunciaram responsáveis rebeldes e o embaixador russo junto das Nações Unidas, Vitali Tchourkine.

Horas antes, o Conselho de Segurança das Nações Unidas anunciou que iria reunir-se de urgência em resposta à situação em Alepo, após relatos de que as forças pró-sírias executaram dezenas de civis naquela cidade devastada por combates. A reunião de urgência foi solicitada por Paris e Londres.

Após o anúncio do acordo, os combates na zona leste da cidade terminaram, anunciou o embaixador russo junto das Nações Unidas, lembra a agência Lusa.

A retirada de civis e rebeldes da cidade deveria ter começado durante a madrugada mas está atrasada várias horas, noticiam as agências de notícias AFP e AP e meios de comunicação social locais.

Recomendadas

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.

Ucrânia. UE considera “ilegais” referendos de anexação organizados por Moscovo

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, disse hoje que os “referendos” de anexação organizados por Moscovo nas regiões ucranianas foram “ilegais” e os resultados “manipulados”.

Ucrânia. Maduro acusa EUA e Europa de “suicídio económico” para punir a Rússia (com áudio)

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou hoje os Estados Unidos e a Europa de optarem pelo “suicídio económico” com o propósito de punir Moscovo pela invasão da Ucrânia.
Comentários