PremiumFrança pode estar em marcha, mas continua insubmissa

Apesar de todas as ameaças, Emmanuel Macron teve de suavizar a ‘sua’ reforma da segurança social. Não chegou: na próxima terça-feira volta tudo para a rua.

O presidente francês Emmanuel Macron voltou a sentir na pele o que é estar na posse de uma maioria confortável e de um governo estável e não resistir à pressão das ruas, onde a lei continua a ser a da esquerda radical – que tão fraca prestação obteve nas últimas eleições (em junho de 2017), mas consegue levar milhares de pessoas para as ruas e bloquear toda e qualquer atividade normal do país.

Num momento em que Macron achou por bem ser chegada a altura de avançar com a reforma da área social até ao limite do que é o seu muito antigo desejo, muniu-se de todos os apetrechos para, desta vez, a coisa sair bem feita. Desde logo, fez saber que um dos pressupostos da sua vitória nas presidenciais de 2017 e dos partidos que o apoiaram nas eleições nas legislativas seguintes era a reforma da segurança social.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMemórias pessoais e transmissíveis

Mas os diários da minha tia Gália eram de um tipo muito específico: à medida que os lia, a sua textura peculiar — que se assemelhava sobretudo a uma rede de pesca de malha grande — tornava‑se cada vez mais enigmática e interessante.

PremiumGeorge Clooney e o Speedmaster ’57

Coincidindo com o 65º aniversário da linha Speedmaster, a coleção completa Omega Speedmaster ’57 inclui agora oito novos modelos.

PremiumBiografia de Lula Inácio da Silva

Para lá das emoções que provoca, positivas ou negativas, Lula da Silva está entre as maiores figuras políticas da história do Brasil. Oriundo da classe operária, opositor ativo e convicto de uma ditadura militar que sufocou a sociedade e a economia brasileiras entre 1964 e 1985, a sua história e as suas lutas confundem-se com as de um povo que, por duas vezes, o elegeu presidente da nação.
Comentários