França: Sondagens belgas dão vitória a Macron com 55% a 58% dos votos

O jornal belga ‘Le Libre’ e televisão pública RTBF estão a reportar que as suas sondagens à boca das urnas em França dão a vitória ao atual presidente, Emmanuel Macron.

Dois órgãos de comunicação social belgas estão a reportar que as suas sondagens à boca das urnas em França, onde neste domingo se realiza a segunda volta da eleição presidencial, dão a vitória ao atual presidente, Emmanuel Macron, apontando a um intervalo entre os 55% e 58%.

O jornal belga ‘Le Libre’ e televisão pública RTBF, que, por não serem órgãos de comunicação social franceses, não estão obrigados a divulgar resultados de sondagens até ao fecho das urnas, às 20h00 locais (menos uma em Lisboa), realizaram inquéritos à boca das urnas este domingo, apontando a uma vitória do presidente incumbente.

Ambos os meios de comunicação social sublinharam que os prognósticos se baseavam nos resultados de estudos feitos até às 17 horas locais (16 horas em Lisboa), pelo que estariam ainda sujeitos a alterações.

Já a Comissão Nacional de Eleições francesa havia dito na semana passada que as oito empresas de sondagens do país se haviam comprometido a não divulgar resultados provisórios durante o dia da eleição.

Recomendadas

Empresários sem literacia digital “ficam pelo caminho”

Formadores em economia digital e marketing digital dzem que os temas que mais aliciam os executivos são inteligência artificial, redes sociais, SEO/websites, blockchain ou faturação eletrónica.

“Ainda não estou a ver o ‘cash’ a desaparecer”

João Baptista Leite revela que a Unicre está de olhos postos no ‘blockchain’ e mostra-se confiante nas suas aplicações práticas. CEO da Unicre diz que já não utiliza dinheiro físico, mas acredita que – por enquanto – ainda se vai manter.

Programas para mulheres que querem evoluir na carreira

A formação é uma ferramenta de emponderamento e, num âmbito mais vasto, contribui para a construção de um ambiente profissional mais igualitário. O JE foi conhecer a oferta das escolas de negócios.
Comentários