Francesa Total e Sonangol lançam rede de abastecimento em Angola

Segundo um comunicado do gabinete de advogados GA_P, que assessorou a operação, numa primeira fase, a ‘joint-venture’ focará a sua atividade de distribuição e venda de combustíveis e lubrificantes no segmento empresarial.

A petrolífera francesa Total e a petrolífera angolana Sonangol formaram uma joint venture para operar no desenvolvimento de uma rede de estações de serviço, incluindo a logística e o fornecimento de produtos petrolíferos neste país lusófono.

A operação foi realizada pelo gabinete de advogados Gómez-Acebo & Pombo (GA_P) em parceria com a sociedade angolana Lead Advogados, anunciou, esta quarta-feira, a GA_P em comunicado.

Segundo o documento, numa fase inicial, a empresa focará a sua atividade de distribuição e venda de combustíveis e lubrificantes no segmento do mercado empresarial, lançando uma rede de bombas de combustível com a marca Total.

A Sonangol irá ceder os primeiros 45 postos de abastecimento, já existentes em áreas urbanas e nas estradas nacionais.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários