Franceses em força na área financeira

A presença francesa na área financeira, e particularmente nos seguros, é tradicionalmente forte. AXA, Groupama, Europ Assistance, Eurofactor, Coface, Cardif, Macif e GAN são nomes mais ou menos familiares para a maioria dos portugueses. A maioria destas seguradoras ainda opera no mercado português, outras já saíram, outras ainda mudaram de nome na sequência de aquisições. […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A presença francesa na área financeira, e particularmente nos seguros, é tradicionalmente forte. AXA, Groupama, Europ Assistance, Eurofactor, Coface, Cardif, Macif e GAN são nomes mais ou menos familiares para a maioria dos portugueses. A maioria destas seguradoras ainda opera no mercado português, outras já saíram, outras ainda mudaram de nome na sequência de aquisições. O mundo dos seguros é, em si mesmo, uma ebulição constante.

A AXA, primeira marca seguradora mundial no reconhecido ranking Best Global Brands, da Interbrand, está de saída do nosso mercado. O grupo belga, Ageas, que controla a Ocidental e a Médis, anunciou recentemente estar em negociações exclusivas para comprar a AXA Portugal, por 190,8 milhões de euros.

O negócio, que deverá estar concluído no primeiro semestre de 2016, deixa espaço à Groupama, um dos principais grupos seguradores europeus a caminhar para um século de presença em Portugal, onde entrou com a denominação GAN e opera, desde 2005, como Groupama Seguros.

Em 2011, o negócio segurador do ano em Portugal envolveu também uma empresa francesa: o grupo financeiro SMABTP, que em Espanha controla a seguradora Asefa, comprou a Victoria.
Na altura, a operação foi enquadrada na estratégia de crescimento e diversificação do grupo francês e da sua afiliada e apontado como objetivo principal para mercado português: “o crescimento sustentável e rentável a longo prazo”. Para o conseguir, os franceses contam com a sua capacidade técnica internacional e o know-how da Victoria.
Caravela é uma das mais jovens seguradoras portuguesas. Liderada por Diamantino Marques, ex-presidente do antigo Instituto de Seguros de Portugal, a Caravela surgiu após a compra da filial de outra marca icónica de seguros francesa, a Macif por parte de investidores nacionais agrupados na holding AAA – sociedade gestora de participações sociais.

A Cardif Portugal é de origem e também fala francês. Sucursal do BNP Paribas Assurance, empresa do grupo BNP Paribas, é especializada em soluções de proteção e opera em Portugal desde 1987.
A também francesa Europ Assistance dá cartas no negócio dos serviços de assistência de que é um gigante mundial. Em Portugal, opera diretamente desde 1993, ano em que lançou, em parceria com o antigo grupo Espírito Santo, a Europ Assistance Companhia Portuguesa de Seguros. Apoiada numa ampla rede de filiais, está preparada, sob o ponto de vista técnico e humano, para prestar uma assistência rápida e eficaz, através da sua rede de fornecedores, a qualquer hora do dia ou da noite, quer os seus clientes estejam em casa ou no outro lado do mundo.

Também a área do seguro de crédito tem, em Portugal um protagonista francês – a Coface, que, através da sua subsidiária Coface Portugal, disponibiliza várias soluções no mercado. Uma última palavra para a Eurofactor, empresa francesa líder no factoring à exportação.

Por Almerinda Romeira/OJE

 

Recomendadas

Ibersol com lucros de 14,6 milhões de euros até setembro

A Ibersol registou nos primeiros nove meses deste ano lucros consolidados de 14,6 milhões de euros, que comparam com prejuízos de mais de 20 milhões de euros no período homólogo.

Greve na CP e IP suprimiu 701 comboios até às 18h00

A greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP) levou à supressão de 701 comboios da CP entre as 00h00 e as 18h00.

Semapa aprova distribuição de reservas no montante de quase 100 milhões

Na Assembleia Geral Extraordinária da Semapa foi aprovada a proposta de distribuição de reservas no montante ilíquido por ação de 1,252 euros.