Franceses em greve contra o aumento da idade de reforma

Estima-se que a medida do aumento de dois anos da idade da reforma possa trazer um acréscimo de 17.7 mil milhões de euros em contribuições, mas os sindicatos consideram que existem outras possibilidades para garantir a continuação do sistema de pensões.

Juan Ignacio Roncoroni / EPA

Os franceses saíram, esta quinta-feira, para as ruas francesas em protesto contra o aumento da idade da reforma para os 64 anos, segundo a “Reuters”.

No dia 10 de janeiro foi apresentado pela primeira-ministra francesa Élisabeth Borne, um projecto lei onde a idade da reforma aumenta dois anos, de 62 anos para 64 anos até 2030 e onde as pensões mínimas aumentam 100 euros por mês para todos os beneficiários. O presidente francês Emmanuel Macron afirma que este é um plano vital para a garantia da sobrevivência do sistema pensionista, mas a proposta tornou-se pouco popular na opinião dos franceses.

Segundo o ministro do Trabalho francês esta medida iria trazer um acréscimo de 17.7 mil milhões de euros em contribuições anuais para as pensões, permitindo assim que o sistema entre em equilíbrio até 2027.

“Os salários e as pensões é que devem ser aumentados e não a idade da reforma”, é uma das frases que é possível ler nas faixas que os protestantes levam para as marchas.

Os sindicatos afirmam que existem outras medidas que podem ser exploradas pelo Governo para garantir a sobrevivência do sistema de pensões, nomeadamente o aumento das taxas aos super-ricos. Os lideres dos sindicatos deixam também o aviso de que serão anunciadas novas datas para mais greves e protestos, tendo esta sido apenas o início de uma longa discussão entre as partes.

Relacionadas

Greves e protestos marcados após governo francês anunciar aumento da idade de reforma

O Governo francês apresentou hoje a sua reforma das pensões, cuja principal medida será o aumento da idade de aposentação para os 64 anos, em vez dos atuais 62, e os sindicatos já convocaram os primeiros protestos.
Recomendadas

Presidente dos EUA deu ordem para Força Aérea abater balão chinês

Pequim admitiu que o balão lhe pertence, mas garante que se trata de “um dispositivo civil para fins meteorológicos”.

Balão chinês foi abatido por caças da Força Aérea dos Estados Unidos

De acordo com fontes militares, está em curso uma operação para recuperar os destroços do balão abatido sobre as águas da costa leste dos Estados Unidos, quando voava a 60 mil pés.

Zelensky insiste com primeiro-ministro britânico que Rússia “não tem lugar” nos Jogos Olímpicos de Paris

Por seu lado, Sunak explicou ao presidente ucraniano que o Reino Unido está agora focado em “garantir que o equipamento militar defensivo” do país “chegue à linha da frente o mais rapidamente possível”.
Comentários