Franceses marcham na rua contra a violência doméstica

Milhares de manifestantes protestaram hoje em várias cidades francesas para denunciar a inação dos poderes públicos face à violência machista num país onde todos os anos 225 mil mulheres sofrem maus-tratos infligidos pelos atuais ou antigos parceiros.

A marcha, convocada por associações feministas, antecede o dia internacional da ONU contra a violência sexista contra as mulheres, que se realiza todos os dias 25 de novembro desde 1999 em homenagem às irmãs dominicanas Mirabal, assassinadas em 1960 por ordem do ditador Rafael Leônidas Trujillo.

“Ainda não temos dados concretos, mas a mobilização está a aumentar”, disse a deputada ambientalista Sandrine Rousseau, uma das mais ativas vozes feministas daquela câmara, que participou na manifestação de Paris, a mais numerosa.

Rousseau disse que o governo de Emmanuel Macron não realizou qualquer reforma fundamental para proteger as mulheres e “lutar contra o patriarcado”, alertando que a violência contra as mulheres “não se resume às violações”.

Os organizadores do protesto também lembraram que em França há 160 mil menores vítimas de violência sexual em cada ano.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários