Francisco Rodrigues dos Santos e José Ribeiro e Castro são os candidatos por Lisboa do CDS-PP

Listas de candidatos a deputados do CDS-PP não incluem nenhum dos elementos do atual grupo parlamentar. Alguns dos conselheiros mais próximos do líder centrista e independentes aparecem em lugar de destaque em diversos círculos eleitorais.

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, será o cabeça de lista do partido por Lisboa, tendo no segundo lugar um dos seus antecessores, José Ribeiro e Castro. No principal círculo eleitoral português, onde o partido elegeu dois deputados em 2019 apesar do mau resultado que levou à saída de Assunção Cristas, os lugares seguintes são ocupados pela deputada municipal lisboeta Margarida Bentes Penedo, pelo presidente da Juventude Popular, Francisco Camacho, e pela investigadora Teresa Nogueira Pinto, filha do empresário e historiador Jaime Nogueira Pinto e da falecida deputada centrista Maria José Nogueira Pinto.

Numas listas de candidatos às legislativas de 30 de janeiro de 2022 em que não aparece nenhum dos atuais membros do grupo parlamentar do CDS-PP – depois de Cecília Meireles, João Pinho de Almeida e Telmo Correia terem declarado indisponibilidade para continuar na Assembleia da República na sequência do adiamento do congresso do partido em que Nuno Melo iria concorrer contra Rodrigues dos Santos -, a cabeça de lista pelo Porto é a advogada e professora universitária Filipa Correia Pinto, uma das conselheiras mais próximas do líder centrista, secundada pelo coordenador autárquico Fernando Barbosa e pelo professor universitário Pedro Vilas-Boas Tavares.

No que toca aos outros dois círculos em que o CDS-PP tem atualmente representação parlamentar será o antigo deputado José Paulo Areia de Carvalho a avançar por Braga, enquanto em Aveiro a aposta do partido incide nos autarcas do distrito, com António Loureiro, presidente da Câmara de Albergaria-a-Velha, José Pinheiro, presidente da Câmara de Vale de Cambra, Maria do Céu Marques, vereadora da Câmara de Vagos, e Duarte Novo, presidente da Câmara de Oliveira do Bairro, seguindo-se o vice-presidente centrista António Carlos Monteiro.

Aprovadas por unanimidade pela Comissão Política Nacional na noite desta quarta-feira, as escolhas que Francisco Rodrigues dos Santos considera ilustrarem “na perfeição a ideia de direita certa para Portugal” também incluem a porta-voz do partido, Cecília Anacoreta Correia, enquanto cabeça de lista por Setúbal, o vice-presidente Pedro Melo por Santarém, o coordenador do Gabinete de Estudos do CDS-PP, António Galvão Lucas, por Leiria, ou o ex-vereador da Câmara de Nelas e presidente da Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela, Manuel Marques, por Viseu.

Por Viana do Castelo avança a advogada e deputada municipal de Ponte de Lima Joana Mendes, com o presidente da Associação Empresarial do Alto Tâmega, Vítor Pimentel, no círculo de Vila Real, o ex-líder distrital centrista Lemos Mendonça em Bragança, o presidente da Associação de Artesãos da Serra da Estrela, João Mário Amaral, no círculo da Guarda, a gestora em Portugal da World Youth Alliance, Maria Inês Moreira, em Castelo Branco, ou o líder distrital Jorge Alexandre Almeida em Coimbra.

Mais a sul, as listas aos três círculos alentejanos, onde as votações do CDS-PP tendem a ser reduzidas, são encabeçadas por independentes, tendo o líder centrista realçado o mérito, abertura à sociedade civil e renovação de protagonistas como três princípios que presidiram à sua elaboração: o empresário Bruno Batista por Portalegre, a reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freitas, por Évora, e o presidente da Associação de Agricultores do Baixo Alentejo, Francisco Palma, por Beja. Em Faro cabe o primeiro lugar da lista ao ex-vereador da Câmara de Portimão, Jose Pedro Caçorino.

Com o CDS-PP integrado em listas conjuntas lideradas pelo PSD na Madeira e nos Açores, os restantes cabeças de lista são o ex-dirigente do Sporting Rahim Ahamad, pelo círculo de Fora da Europa – após ter coincidido com Rodrigues dos Santos na direção do clube presidida por Frederico Varandas -, e Francisca Sampaio, que trabalha na NATO, em Bruxelas, pelo círculo da Europa.

 

Recomendadas

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.

PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.

Aquilo que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, refere Luís Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, afirmou este sábado que o que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, considerando que a vontade do Governo de privatizar a companhia não pode passar incólume.
Comentários