Francisco Rodrigues dos Santos lança candidatura “descomplexadamente de direita” à liderança do CDS-PP

Líder da Juventude Popular revelou ideias fortes no Porto, dirigindo-se aos “renegados do centralismo” ou aos “empresários que não vivem à custa do Estado”. Torna-se o quinto candidato à sucessão de Assunção Cristas será escolhido a 26 de

O presidente da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos, lançou a sua candidatura à presidência do CDS-PP, juntando-se ao deputado João Almeida, ao ex-secretário de Estado Filipe Lobo d’Ávila, ao líder da Tendência Esperança em Movimento Abel Matos Santos e ao militante minhoto Carlos Meira. Num evento realizado  num hotel portuense na noite de terça-feira, o quinto candidato à sucessão de Assunção Cristas disse que pretende liderar “um partido  que não será do passado nem passivo, e que se assumirá descomplexadamente de direita sem pedir autorização à esquerda para defender as suas ideias”.

Assumindo-se como “um homem profundamente moderado”, mas também profundamente defensor das ideias em que acredita, Francisco Rodrigues dos Santos dirigiu-se ao “povo não socialista que fica órfão sem o CDS”. Entre outros destinatários da mensagem enumerou “os que não querem ser escravos do trabalho, do fisco, da regulamentação ou da burocracia”, “os que querem cuidados de saúde em tempo útil e uma educação de excelência”, “os empresários que não vivem à custa do Estado”, “os renegados do centralismo”, “os católicos e os movimentos de defesa da vida” e “os que querem a língua portuguesa sem a mutilação do acordo ortográfico”.

“É preciso provar aos portugueses que podem voltar a acreditar no CDS, o partido que defende Portugal e as suas tradições de forma intransigente e é capaz de projetar o país para níveis de elevado desenvolvimento e bem-estar”, disse o presidente da Juventude Popular, que começou a intervenção com uma saudação a Fernando Barbosa, presidente da distrital do Porto do CDS-PP e a Fernando Moura e Silva, presidente da Federação dos Trabalhadores Democratas-Cristãos, dois dos dirigentes presentes no hotel portuense.

Apesar de garantir que ninguém deve contar consigo para “ajustes de contas com o passado, para fraturas artificiais ou para personalizar os erros de ontem”, Rodrigues dos Santos realçou que o partido teve o pior resultado de sempre em eleições legislativas a 6 de outubro, sendo necessário assumir erros que reduziram o grupo parlamentar do CDS-PP de 18 para cinco deputados. Aliás, o agora candidato à liderança, número dois da lista pelo círculo do Porto, acabou por não ser eleito para a Assembleia da República.

“Ao nosso partido não basta apenas afinar o tiro e calibrar o discurso. Percisa de produzir um verdadeiro efeito de novidade para ser concorrencialmente forte, tem de mostrar uma nova energia, uma lufada de ar fresco e afirmar-se de novo na cena partidária”, disse o candidato à liderança do CDS-PP, para quem o partido deve ser “a primavera que a direita tem que atravessar para se reinventar e renascer”. Ou, como disse de seguida, “o novo partido antigo que represente uma nova direita em Portugal”.

Também no evento foi apresentada uma equipa “capaz de apresentar respostas coerentes, consistentes e percetíveis”, encarregue de ajudar a elaborar a moção que Rodrigues dos Santos vai levar ao Congresso do CDS-PP, que se vai realizar em Aveiro nos dias 25 e 26 de janeiro de 2020. Entre outros nomes, conta com o professor catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa Paulo Otero, o gestor e ex-vice-provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Fernando Paes Afonso, o ex-Chefe do Estado-Maior da Armada almirante Macieira Fragoso, o membro do Conselho Diretivo do Sporting Rahim Ahamad ou o músico e artista Manuel Fúria.

Relacionadas

Filipe Lobo d´Ávila é candidato à liderança do CDS-PP

O ex-deputado centrista Filipe Lobo d’Ávila, do grupo “Juntos pelo Futuro”, confirmou hoje que será candidato à liderança do CDS-PP no congresso de janeiro de 2020, numa publicação no Facebook.

João Almeida anuncia candidatura à liderança do CDS

Para João Almeida o resultado obtido pelo CDS-PP nas eleições legislativas de outubro, que motivou a renúncia de Assunção Cristas à liderança do CDS-PP, “não é irreversível”.

Grupo de Lobo d’Ávila pede relatório transparente sobre contas do CDS-PP

O dirigente Raul Almeida disse que o pedido vai ser feito por um dos membros do grupo, José Carmo, dirigido “a toda a direção” do partido, afirmando que, nesta fase pré-congresso para escolher o sucessor de Assunção Cristas, “é preciso conhecer a realidade das contas com transparência, detalhe e verdade”.
Recomendadas

Incompatibilidades de ministros devem cessar logo que há perceção, avisa Marcelo

O Presidente da República considerou hoje, questionado sobre o caso do ministro da Saúde, Manuel Pizarro, que as incompatibilidades com o exercício de cargos governativos devem cessar logo que há a perceção da sua existência.

OE2023: PAN critica “rumo de desvalorização salarial” da função pública

A porta-voz do PAN criticou hoje a proposta de aumentos salariais para a função pública, apontando um “rumo de desvalorização salarial” e alertando que os funcionários públicos “viverão com menos recursos” no próximo ano.

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.
Comentários