Fraude e corrupção. Cruz Vermelha ‘perdeu o rasto’ a 4,2 milhões de euros

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho admitiu ter perdido o rasto a 4,2 milhões de euros doados para travar o surto de ébola em África, em 2014.

Em comunicado, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC) reconheceu ter perdido o rasto a 4,2 milhões de euros que haviam sido doados em 2014 para ajudar a lutar contra o surto de ébola em África. O organismo, com sede na Suíça, admite que este dinheiro tenha sido perdido para a fraude e corrupção, revelando-se indignado com essa descoberta. Lamentando o sucedido, a IFRC anunciou uma série de medidas para evitar que situações semelhantes venham a ocorrer no futuro.

Em causa estão os donativos atribuídos entre 2014 e 2016 às várias delegações nacionais da Cruz Vermelha a partir da IFRC nas zonas afetadas. Uma auditoria às contas da Cruz Vermelha detetou o desaparecimento de quantias elevadas. Na Serra Leoa, desapareceram 1,8 milhões de euros, fruto de um esquema fraudulento que envolvia funcionários da Cruz Vermelha e de um banco. Na Guiné desapareceram perto de 858 mil euros para faturação falsa e sobrefaturação. Na Libéria desapareceram 2,3 milhões de euros em salários de trabalhadores inexistentes ou devido ao inflacionamento dos preços.

O comunicado da IFCR revela que o organismo está a trabalhar com as autoridades de cada um destes países para investigar estas situações e conseguir levar os culpados à justiça, ainda que, para tal tenha de prescindir de qualquer tipo de imunidade que proteja qualquer pessoa ou equipa da Cruz Vermelha que possa ser responsabilizada.

Relacionadas

Doações via Facebook prestes a chegar a Portugal

Disponível nos EUA desde 2015, chegará em breve a vez de os utilizadores europeus e ingleses do Facebook poderem doar dinheiro diretamente a algumas instituições de solidariedade selecionadas. Em Portugal, será possível fazê-lo a partir de outubro.

Donativos para vítimas de Pedrógão Grande podem chegar a 12,5 milhões

Dados do Governo, da Fundação Gulbenkian, da Cáritas Portuguesa e da União das Misericórdias Portuguesas revelam que valor total de donativos recebidos, para ajudar as vítimas de Pedrógão Grande na recuperação de habitações, pode chegar aos 12,5 milhões de euros.

Estado só organizou fundo que tem 1,9 milhões de euros, esclarece Costa

Primeiro-ministro afirmou que o Estado, na sequência da tragédia do incêndio de Pedrógão Grande, só organizou um fundo, o Revita, que tem 1,9 milhões de euros e é gerido conjuntamente com as autarquias e a sociedade civil.
Recomendadas

Operação Marquês. Conselho da Magistratura conclui que substituição “não viola princípio do juiz natural”

O Conselho Superior da Magistratura esclareceu hoje, acerca das críticas do ex-primeiro-ministro José Sócrates, que a substituição da juíza do processo separado da Operação Marquês, através do movimento de magistrados, “não viola o princípio do juiz natural”.

“Assassina, monstra”. Mãe insultada no funeral de menina de Setúbal

A mãe da menina de três anos que morreu depois de ter sido vítima de maus tratos foi hoje insultada por dezenas de populares no funeral em Setúbal. Os três suspeitos do crime vão hoje ser ouvidos em tribunal.

Estado português condenado a pagar diferenças salariais a funcionários no Brasil

O Estado português foi condenado a pagar a nove trabalhadores do Consulado Geral de Portugal em São Paulo a diferença remuneratória devida ao pagamento em reais, disse esta quarta-feira à Lusa fonte sindical.
Comentários