PremiumFrederico Rosa: “Novo aeroporto pode ser a alavanca de desenvolvimento da margem sul”

O presidente do Barreiro encara o novo aeroporto como uma oportunidade para o concelho, mas diz que é preciso mais investimento na mobilidade, como uma nova travessia sobre o rio Tejo e a recuperação da ferrovia.

O rio Tejo tem separado mais que unido o Barreiro em relação a Lisboa. Em entrevista ao Jornal Económico, Frederico Rosa, presidente da Câmara Municipal do Barreiro, entende que este estado de coisas está a mudar, com destaque para os projetos de mobilidade, incluindo os diversos modos de transporte e as acessibilidades à capital.

Como vê a opção do Montijo para a localização do novo aeroporto de Lisboa?

Sobre o novo aeroporto previsto para o Montijo, tenho a dizer que do Lavradio, no concelho do Barreiro, à atual base aérea, onde se poderá localizar essa infraestrutura, distam cerca de 800 metros. A ser localizado no Montijo, o novo aeroporto traz muito desenvolvimento económico ao concelho, mas também traz um constrangimento, porque sabemos que o cone de aterragem dessa nova infraestrutura vai incidir sobre a cidade do Barreiro.

Mas qual é a sua posição sobre o projeto?

A ser localizado no Montijo, cá estaremos para o aproveitar ao máximo, sabendo quais serão as externalidades negativas que também se vão sentir sobre o Barreiro e que terão de ser equacionadas para termos uma opinião fundamentada e que melhor possa servir a cidade. Disso não abrimos mão.

 

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários