Freguesia de Agualva e Mira Sintra pondera apresentar providência cautelar para impedir fecho de balcões da CGD

Carlos Casimiro, presidente da junta de freguesia de Agualva e Mira Sintra, pretende apresentar uma providência cautelar, até ao final da semana, para evitar o fecho de dois balcões da CGD em Mira Sintra e de Queluz Ocidental/Monte Abrão. Para amanhã está prevista uma manifestação na sede do banco do Estado onde serão entregues a Paulo Macedo quatro mil assinaturas contra o fecho destes balcões.

Caixa Geral de Depósitos

O presidente da junta de freguesia de Agualva e Mira Sintra pretende apresentar uma providência cautelar para impedir que o encerramento de dois balcões da Caixa Geral de Depósitos (CGD) situados em Mira Sintra e em Queluz Ocidental/Monte Abrão

Ao JE, Carlos Casimiro, disse que “estamos a ver se conseguimos até ao final da semana apresentar uma providência cautelar” para evitar o encerramento destes dois balcões do banco público, liderado por Paulo Macedo.

Segundo o dirigente, que diz que “não encontramos motivos económicos” para a decisão do banco do Estado, o fecho destes dois balcões, previsto para o dia 22 de dezembro, poderá afetar mais de 26 mil pessoas.

Para esta quarta-feira de manhã, as populações das duas freguesias vão manifestar-se em frente à sede da CGD, na Avenida João XXI, em Lisboa, onde estarão os presidentes das duas juntas de freguesias.

“Vamos utilizar a manifestação para entregar a Paulo Macedo as cerca de quatro mil assinaturas reunidas” contra o encerramento dos dois balcões, disse Carlos Casimiro, que não se mostrou muito confiante em conseguir reverter a decisão de fechar as duas agências.

“Os prognósticos não são favoráveis. Quando dois presidentes de junta que representam 90 mil habitantes enviam uma carta ao Dr. Paulo Macedo, sem resposta, diz o que pensa sobre o assunto”, adiantou o dirigente.

Carlos Casimiro revelou ainda que “há cerca de 15 dias” foi enviada uma carta ao CEO da CGD a apelar para que não encerrasse estes dois balcões, sendo que o encerramento da agência em Mira Sintra vai prejudicar os cerca de 5 mil idosos que vão passar a “ter de ir ao centro da cidade buscar as pensões”. Carlos Casimiro disse que não obteve resposta de Paulo Macedo.

Questionada, a CGD não prestou declarações até à publicação deste artigo.

Além de Paulo Macedo, foram ainda enviadas cartas ao Presidente da República e ao presidente da Assembleia da República. De Belém, Carlos Casimiro disse ter recebido “uma resposta automática” referindo que a carta tinha sido encaminhada. Já Eduardo Ferro Rodrigues remeteu a carta que lhe tinha sido endereçada para a Comissão de Orçamento e Finanças (COF), “com quem vamos reunir amanhã à tarde por videoconferência”, explicou o presidente da junta de freguesia de Agualva e Mira Sintra.

Recomendadas

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.
Comentários