Fronteira entre a Sérvia e o Kosovo novamente em tensão

Os serviços de fronteira kosovares estão a pedir que as pessoas que entram no país com identidade sérvia tenham que substituí-las por um documento temporário durante a sua estadia.

O governo do Kosovo adiou por um mês a implementação de novas regras de fronteira para os que entram no país – estando a obrigar os cidadãos da Sérvia a substituir os seus documentos por outros durante a sua estadia no país. O problema vem na sequência de uma decisão de há alguns meses, segundo a qual os sérvios étnicos que possuem placas de veículos emitidas pela Sérvia teriam que trocá-las por placas do Kosovo se entrassem neste país.

Estas decisões têm feito regressar a tensão entre os dois países – sendo de recordar que a Sérvia não reconhece a existência do Kosovo, unilateralmente proclamada em 2008, como país independente.

A polícia fechou duas passagens de fronteira com a Sérvia no domingo passado após terem-se verificado incidentes. O primeiro-ministro kosovar, Albin Kurti, disse que o fecho das passagens foi um movimento recíproco, já que o governo de Belgrado exige o mesmo dos cidadãos do Kosovo que entram na Sérvia.

Entretanto, depois de se encontrar com o embaixador dos Estados Unidos no Kosovo, Jeffrey Hovenier, o governo do país deu a conhecer a sua decisão de este novo regime fronteiriço ser adiado por 30 dias. O regime kosovar afirma-se interessado em que “todas as barreiras sejam removidas e que a liberdade total de movimento seja estabelecida”.

O chefe da diplomacia externa da União Europeia, Josep Borrell, elogiou a decisão e disse no Twitter que espera que “todos os obstáculos sejam removidos imediatamente”, acrescentando que as questões em aberto devem ser abordadas através do diálogo facilitado pela União e centrar-se na normalização abrangente das relações entre o Kosovo e a Sérvia.

Na noite de domingo, centenas de sérvios estacionaram camiões e outros veículos pesados nas estradas em direção aos cruzamentos de Jarinje e Brnjak, em direção à fronteira, bloqueando o tráfego.

As forças de paz lideradas pela NATO (a missão KFOR) disseram em comunicado que a situação no norte de Kosovo, na fronteira com a Sérvia, é “tensa” e que está preparada para intervir “se a estabilidade for ameaçada”.

Esta escalada da tensão dá-se numa altura em que a União e vários dos seus dirigentes mais proeminentes – como o chanceler alemão Olaf Sholz – se vêm desdobrando em manobras diplomáticas para resolver questões pendentes um pouco por todos os Balcãs Ocidentais, na tentativa de apressar a sua integração nos 27. Parece claro que a pressa da União não compagina com a demora em resolver esses problemas, o que resultará, segundo os críticos, numa de duas coisas: ou a entrada destes países na União é retardada até que se resolvam os problemas; ou os países entram no bloco com todos os estes problemas por resolver, o que, a prazo, será uma fonte de grande tensão interna.

Recomendadas

Pentágono afirma que 80 mil soldados russos foram mortos ou feridos na Ucrânia

Cerca de 80.000 soldados russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão da Ucrânia, disse hoje o número três do Pentágono, Colin Kahl, salientando que os alvos anunciados pelo Presidente russo, Vladimir Putin, ainda não foram atingidos.

Lapid diz que Israel “cumpriu todos os objetivos” no ataque à Faixa de Gaza

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid afirmou hoje que a Operação Amanhecer contra a Jihad Islâmica em Gaza “cumpriu todos os seus objetivos” e que a totalidade do alto comando militar do grupo “foi atacado com êxito em três dias”.

Brasil/Eleições. Juíza pede à PGR investigação contra Bolsonaro por ataque às urnas eletrónicas

A juíza Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, enviou esta segunda-feira à Procuradoria-Geral da União (PGR) um pedido de investigação contra o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, por ter feito ataques ao sistema eleitoral num encontro com embaixadores.
Comentários