FT antevê que Itália possa abandonar o euro

Num artigo publicado domingo no Financial Times Wolfgang Münchau escreve que o referendo italiano poderá acelerar o caminho para a saída do euro.

Giampiero Sposito/Reuters

A bolsa de Itália, que já esteve a cair hoje 1,13%, a sexta sessão consecutiva no vermelho, continua a sentir os efeitos de uma possível instabilidade política. Também os juros da dívida pública mantêm a rota ascendente das últimas duas semanas.

A pressão vendedora entre os investidores prende-se com a aproximação do dia 4 de Dezembro, data em que será realizado o referendo sobre as alterações à Constituição defendidas pelo primeiro-ministro transalpino, Matteo Renzi.

Num artigo publicado este domingo no Financial Times (que o DN traz na edição desta segunda-feira), o editor e colunista do jornal britânico, Wolfgang Münchau, escreve que se Renzi perder o referendo “será de esperar uma sequência de acontecimentos que irá levantar questões sobre a participação de Itália na Zona Euro”. Nesta altura todas as sondagens coincidem em atribuir a vitória ao “não”.

O colunista do Financial Times sublinha ainda que em Itália existem “três partidos de oposição, todos eles favoráveis à saída do euro”, o que leva Münchau a considerar que “o referendo é importante pois poderá acelerar o caminho para a saída do euro”.

 

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.
Comentários