Fugas de crianças à guarda do Estado disparam

Até outubro do ano corrente registaram-se 387 participações de fugas de crianças à guarda do Estado.

Nos últimos cinco anos registou-se um aumento no número de crianças que fogem das instituições de acolhimento na área de Lisboa.

Os dados apontam para mais de 1800 fugas das instituições, uma tendência que possivelmente se manterá, segundo fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP) divulgada pelo “Público”.

461 fugas em 2015. Um número maior do que no ano anterior, que registou 265 participações feitas por instituições de acolhimento na área geográfica de Lisboa.

Até outubro do ano corrente registaram-se 387 participações de fugas de crianças.

Estes dados de saídas sem autorização e desaparecimentos durante dias ou semanas têm preocupado educadores e responsáveis das residências de acolhimento.

O “Público” avança um caso urgente referente à fuga de um menino de 11 anos no concelho de Sintra que faz fugas prolongadas há vários meses e que tem mantido alerta as instituições, “uma coisa são ausências de adolescentes de 16 anos, outra coisa é estarmos perante fugas persistentes de uma criança de 11 anos”, salienta um educador nos meios de comunicação.

Para além deste menino, muitas outras crianças, na maioria adolescentes, se encontram-se em fuga do sistema.

Recomendadas

Ivo Rosa admite que desistia da candidatura à Relação se soubesse da acusação no processo disciplinar

O magistrado está convencido de que estava “absolutamente inocente” em relação aos factos invocados na ação do órgão de gestão e disciplina dos juízes e reiterou que “o único desfecho seria o arquivamento do processo disciplinar”.

Associação alerta que acesso a medicamentos genéricos pode ficar comprometido

“Caso não sejam implementadas medidas urgentes para assegurar a sustentabilidade da cadeia de produção dos medicamentos genéricos e biossimilares, é o acesso dos cidadãos à saúde que está comprometido”, adiantou a presidente da APOGEN.

“Vamos ter um momento de viragem do que é o SNS”

Há uma espécie de CEO no Serviço Nacional de Saúde. Com problemas identificados e a evidência de que a envolvente só vai piorar, a Associação Comercial do Porto (ACP) quis deixar alguns conselhos a Fernando Araújo.
Comentários