Função Pública. Saíram mais de cinco mil trabalhadores no 3.º trimestre

A Função Pública perdeu 5.387 trabalhadores no terceiro trimestre deste ano, o que representa uma quebra de 0,8% relativamente ao trimestre anterior e uma subida de 0,3% relativamente ao terceiro trimestre de 2014

De acordo com a Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP), divulgada pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), a 30 de setembro de 2015, o emprego na administração pública correspondia a 649.294 postos de trabalho, um total que era de 654.681 em junho deste ano e de 647.139 em setembro do ano passado.

O terceiro trimestre deste ano prossegue a redução de postos de trabalho iniciada no segundo trimestre, mas ainda assim com mais 2.155 trabalhadores do que no trimestre homólogo.

Os dados da DGAEP revelam, no entanto, uma quebra de 10,7% face a 31 de dezembro de 2011, o que corresponde a menos 78.000 postos de trabalho.

Em termos acumulados, saíram do Estado 26.883 funcionários entre o início janeiro e o fim de setembro deste ano.

Segundo a SIEP, a redução do emprego nas administrações públicas resulta sobretudo da quebra do número de trabalhadores da administração central, que a 30 de setembro era de 692.154, menos 4.983 do que no trimestre anterior, o que corresponde a menos 1,0%.

O maior contributo para este decréscimo foi dado pelo Ministério da Educação, com menos 4.746 postos de trabalho.

OJE

Recomendadas

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.

Receitas do turismo estão 14% acima das do pré-pandemia

Os resultados até agora obtidos são animadores, contudo a crescente subida dos preços traz alguma apreensão