Funchal adquire três viaturas para combate a incêndios

A aquisição das viaturas teve um custo de 680 mil euros. Os veículos vão servir para combater incêndios rurais e florestais e ainda possibilitar operar na interface urbano-florestal.

O município do Funchal adquiriu três viaturas para o combate a incêndios, que foram encaminhadas para os Bombeiros Sapadores. A aquisição dos veículos teve um custo de 680 mil euros, que foi co-financiado através do programa operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR), onde se inclui também o veículo ligeiro de combate a incêndios, que já tinha sido entregue à corporação.

“Esta é uma mais valia para a Corporação de Bombeiros do Funchal, capaz de melhorar substancialmente a sua capacidade de resposta a situações de risco nas Zonas Altas da cidade”, disse Paulo Cafôfo, presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Com este veículo espera-se, referiu o autarca, “colmatar desafios ao nível da rede viária e da largura dos arruamentos” e ainda da “orografia acidentada” e com isso se “facilite manobras e o acesso a áreas mais problemáticas”.

Das viaturas recebidas pelos Bombeiros Sapadores do Funchal uma delas é para o combate de incêndios rurais e florestais, e as restantes vão possibilitar operar na interface urbano-florestal.

Recomendadas

Madeira: ACIF participa na quinta reunião transnacional do projeto BLUE-TEC

O projeto visa promover o crescimento inteligente do turismo náutico e costeiro da Macaronésia.

PSD/Açores disponível para novo modelo de financiamento dos bombeiros

O deputado regional social-democrata Luís Soares considerou necessário “saber como funcionam os mecanismos de acesso aos fundos comunitários, mantendo uma porta direta pelos bombeiros, em vez das candidaturas serem elegíveis somente através das câmaras municipais”.

Madeira: Vacinação contra a Covid-19 passa a ser sazonal e decorre em simultâneo com a vacinação contra a gripe

Estas duas vacinas sazonais, contra a gripe e contra a Covid-19, podem ser administradas no mesmo momento, “sendo consensual que a vacinação é segura e igualmente eficaz”, indica a  Direção Regional de Saúde.
Comentários