Funchal considerada a sexta melhor cidade portuguesa para startups num ranking liderado por Lisboa

O ranking levou em consideração três critérios: quantidade, qualidade, e ambiente de negócios.

O Funchal foi considerada a sexta melhor cidade portuguesa para criar e desenvolver uma startup, de acordo com a HelloSafe, baseada numa base de dados da Startup Blink.

O ranking é liderado por Lisboa, seguida pelo Porto, Braga, Coimbra, Aveiro, Funchal e Leiria. Estas são as sete cidades portuguesas que estão classificados no Top 1.000 mundial, numa tabela onde Portugal é considerado o 28º melhor país para a criação de startups. Em termos de cidades Lisboa ficou na posição 83 em termos mundiais, enquanto que o Porto atingiu o lugar 136, Braga (432), Coimbra (441), Aveiro (667), Funchal (949), Leiria (965).

A tabela leva em consideração três fatores: quantidade, qualidade, e ambiente de negócios.

Lisboa ficou à frente do ranking nacional com 8.300 pontos, o Porto alcançou 5.384, Braga teve 1.017 pontos, enquanto que o Funchal se ficou pelos 179 pontos.

Recomendadas

Deputada do PS-Madeira defende criação de Comunidade Terapêutica de reinserção social na Madeira

A deputada do PS-Madeira à Assembleia da República destacou que este serviço existe já no Continente e nos Açores, mas foi rejeitado pelo PSD-Madeira na Assembleia Regional, razão pela qual a Madeira é a única região do país sem esta solução, que considera ser urgente e necessária.

Madeira: IASaúde reembolsou mais de quatro milhões de euros em 2022

Os números apurados indicam ainda que foram realizados mais de 50 mil atendimentos, 83% dos quais nos serviços da sede do IASaúde,, no concelho do Funchal, seguindo-se os concelhos da Câmara de Lobos e de Santa Cruz, ambos com 3% e Ribeira Brava e Machico, com 2,5%.

Câmara do Funchal investe 100 mil euros na requalificação do pátio da Escola Francisco Franco

“Esta foi uma das cinco obras candidatáveis ao Orçamento Participativo de 2020, tendo o atual executivo municipal  avançado com a obra quando chegou à autarquia em 2021”, referiu Pedro Calado, sublinhando que as outras obras foram indeferidas porque excediam o valor máximo de 100 mil euros.
Comentários