Funchal promove projeto de “Habitação Solidária” nos Barreiros para acolher sem-abrigo

Pedro Calado sublinha que não tem dúvidas de que este é “um bom exemplo para a sociedade”, já que “não se pretende apenas trazer as pessoas da rua aqui para dentro”, apontado que o caminho também passa pela “inclusão, no mercado de trabalho”

Foi assinado esta sexta-feira o Protocolo de Cooperação entre o Município do Funchal, o Instituto de Segurança Social da Madeira e a Associação Protectora dos Pobres com vista ao projeto “Habitação Solidária”, promovido pela autarquia e que se destina a acolher quatros pessoas sem-abrigo a viver, presentemente, nas ruas do Funchal.

Na assinatura do protocolo, que decorreu na própria casa destinada a “Habitação Solidária”, Pedro Calado salientou que a primeira visita ao local, que não estava destinado a este objetivo, foi em novembro, tendo a recuperação sido efetuada em sete meses.

O presidente da CMF salientou que o Município do Funchal percebeu o potencial desta habitação, daí a sua reconfiguração para a causa social.

A moradia vai albergar, já a partir do próximo mês, quatro pessoas, que já estão sinalizadas para integrar este projeto de inclusão social, que tem a colaboração da Segurança Social e da Associação Protectora dos Pobres.

Pedro Calado sublinha que não tem dúvidas de que este é “um bom exemplo para a sociedade”, já que “não se pretende apenas trazer as pessoas da rua aqui para dentro”, apontado que o caminho também passa pela “inclusão, no mercado de trabalho”, o que será feito, visto que a edilidade vai ocupar algumas das pessoas nos seus serviços ou em empresas privadas, que, inclusive, já manifestaram disponibilidade nesse sentido.

“Nós não queremos acabar aqui. Bem pelo contrário. Queremos que este seja apenas o primeiro projeto a ser desenvolvido”, estando já a ser pensada uma segunda moradia, desta feita nos Barreiros, sendo esta, a primeira, na Avenida Luís de Camões, adiantou Pedro Calado, frisando ainda que este é “o primeiro passo” de algo que a autarquia pretende maior e que envolva mais entidades, inclusivamente com apoio de privados, de modo a que a inclusão social e a ajuda às pessoas mais carenciadas sejam prioridades.

Refira-se que a “Habitação Solidária” vai receber os seus ocupantes já em agosto. Durante a sua permanência neste projeto, onde podem ficar durante 24 meses, além de uma ocupação em termos de trabalho, terão ainda passe social gratuito, estando ainda a obrigados a cumprir algumas regras.

Recomendadas

Madeira: Santo António abre candidaturas para apoio à aquisição de material escolar

Os alunos com o primeiro escalão da ASE receberão 25 euros, os alunos com o segundo escalão  terão direito a 30 euros, com o terceiro escalão receberão 35 euros e aos beneficiários do quarto e quinto escalão será atribuído um o montante de 40 euros.

Empréstimos às famílias da Madeira diminuem em 62,1 milhões de euros

No segundo trimestre de 2022, 72,7% dos empréstimos foram destinados ao segmento da habitação, e os restantes 27,3% a consumo e outros fins.

Rácio de crédito vencido e empréstimos a sociedades não financeiras aumentam na Madeira

No segundo trimestre de 2022, o saldo do volume de empréstimos concedidos a sociedades não financeiras (SNF) era de dois mil milhões de euros, mais 43,6 milhões de euros que no final de junho de 2021. No entanto, comparando ao trimestre anterior, este é inferior em 33,8 milhões.
Comentários