Fundação EDP. Educação e cidadania ativa são compromisso

O programa Escolas Solidárias é um movimento de cidadania ativa que incentiva alunos do 2ª ciclo ao ensino secundário a envolverem-se ativamente na resolução das questões sociais que afetam a sua comunidade.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

“Lançar sementes de transformação social em idade escolar” é o grande propósito do Escolas Solidárias, lançado há cinco anos pela Fundação EDP. O projeto assume-se como “um desafio estimulante e uma aposta na formação mais completa dos jovens e na sua crescente sensibilização” para a cidadania ativa.

Destinado a alunos do segundo e do 3.º ciclo (5.º e 6.º anos) e ao secundário, do ensino público e privado, o programa abrange, assim, crianças desde a terceira infância até jovens em vésperas da maioridade. Para todos eles, a escola é, nesta fase das suas vidas, a experiência central. Crianças e jovens  são convidados a envolverem-se ativamente na resolução das questões sociais que afetam a sua comunidade.
Criado para responder aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, o Escolas Solidárias Fundação EDP lança, em cada ano letivo, os grandes desafios que o planeta enfrenta e aos quais nós, cidadãos podemos dar resposta nas comunidades onde vivemos. A saber: Erradicar a pobreza e a fome; Promover a sustentabilidade económica; Garantir mais Educação, melhor Saúde; Cuidar das comunidades mais vulneráveis; Promover a inclusão de todo o ser humano; Fomentar a sustentabilidade ambiental; e Apoiar o desenvolvimento humano noutras regiões do mundo.

As escolas assumem um papel essencial no projeto, uma vez que é a partir delas que os jovens tomam conhecimento dele. E é com elas que irão desenvolver as suas ideias, com a colaboração dos professores e o contributo de uma rede de “mentores” voluntários.

Um papel que a Fundação evidencia: “A escola, através deste projeto, possui as ferramentas necessárias para oferecer aos seus alunos uma formação integral, não só académica, aproximando-se das famílias dos seus alunos, convidando-os a participar e a comprometerem-se com a comunidade envolvente.”

O Escolas Solidárias nasceu em 2010 nas escolas dos distritos do Porto, Braga e Viana do Castelo, com o apoio da EDP Gás. Desde então, foram já implementados mais de 730 projetos, que no total contabilizam mais de 2,1 milhões de horas solidárias e o apoio direto a mais de 128 mil pessoas.

No ano letivo 2014/15, a Fundação EDP deu-lhe uma dimensão nacional, motivando a participação de 340 escolas e cerca de 19 mil alunos e professores.

Já este mês, o projeto, que tem uma importância estratégica para a Fundação, foi alvo de um roadshow nacional, que envolveu nomes do espetáculo e do jornalismo. Catarina Furtado, Agir, André Sardet, Mia Rose, Gift, Ana Stilwell, Mary N., Nuno Delgado, José Alberto de Carvalho e Diogo Piçarra participaram em ações de divulgação junto de escolas e dão o rosto pela iniciativa.

Por Almerinda Romeira/OJE

Recomendadas

Musk avança para a compra do Twitter e ações disparam 22%

O CEO da Tesla, Elon Musk, voltou atrás na negociação e concordou em comprar o Twitter pelo preço original acordado de 44 mil milhões de dólares. As negociações da tecnológica na bolsa norte-americana foram interrompidas aquando do anúncio e retomaram a valorizar 22%.

Amazon congela contratações para a área de retalho

A gigante do comércio eletrónica pausou todas as contratações de executivos para a sua unidade de retalho e interrompeu os processos de recrutamento em curso. Também Google, Apple e Meta já tomaram medidas semelhantes.

Celsius. Depois da insolvência, CEO e co-fundador de saída

O co-fundador e Chief Strategy Officer da Celsius, uma plataforma de criptomoedas, S. Daniel Leon, está de saída. A decisão foi conhecida uma semana depois da demissão do CEO, Alex Mashinky, e poucos meses depois do aberto o processo de insolvência.