Fundação Konecta. Em prol de uma inclusão social e laboral sem limites

A plataforma de Portugal desenvolve um leque diversificado de atividades, atuando sempre de acordo com a realidade portuguesa


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Numa clara aposta em desenvolver uma política de Responsabilidade Social (RS) bastante ativa, a Konecta, empresa especializada em outsourcing de serviços, tem vindo a realizar um conjunto de iniciativas que visam, principalmente, promover a inserção social e laboral de coletivos em risco de exclusão social e a igualdade de oportunidades.

Esta área da RS na Konecta está diretamente ligada à Fundación Konecta (www.fundacionkonecta.org/), entidade sem fins lucrativos, criada em 2005 com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento social das comunidades onde a empresa opera. A atividade da fundação está alicerçada em cinco pilares: “formação e emprego”, que passa por formar e acompanhar adequadamente pessoas com incapacidade e fomentar a sua integração; “consultadoria”, disponibilizada a empresas que necessitam de assessoria jurídica e formativa, sendo por isso criados planos formativos e de acessibilidade; “investigação e universidade”, através do qual são feitas parcerias com universidades para desenvolver cursos e formações; “cultura e desporto”, que dirige o foco a iniciativas culturais que promovam e potenciem a integração social, designadamente torneios desportivos e iniciativas de arte; e por último, um pilar que se centra em “projetos com os colaboradores”, que impulsiona o envolvimento de todos em voluntariado, recolhas de bens ou até mesmo nas escolhas e candidaturas a projetos.

Por outro lado, a fundação assume também como grande objetivo, o fomentar da internacionalização, através da transmissão da sua experiência, obtida em Espanha, e passando-a a todos os países onde a Konecta está.

Neste sentido a plataforma de Portugal desenvolve um leque diversificado de atividades, atuando sempre de acordo com a realidade portuguesa. De entre as iniciativas, destaca-se a recolha de bens para instituições (alimentos, brinquedos, agasalhos, entre outros), assumindo maior expressão a anual “Operação Kilo”, na qual foram recolhidos bens alimentares, este ano entregues à Associação Renascer. A fundação encarrega-se de dobrar o peso recolhido em dinheiro e doá-lo a uma instituição internacional (escolhida pela plataforma portuguesa). A plataforma fomenta ainda o voluntariado e, através do know how dos colaboradores, realiza formações para pessoas em risco de exclusão social. E foi neste contexto que se tornou “amiga” da Associação Salvador e passou a apoiar o projeto “Talento”, que visa capacitar as pessoas com novas “skills” para a sua procura de emprego. Em novembro último, realizou então uma formação de técnicas de procura e participou no encontro de recrutamento de pessoas com deficiência motora, que decorreu no âmbito da conferência “Lesões vertebro-medulares” no Centro de Reabilitação de Alcoitão, onde ainda entrevistou 15 pessoas que poderão vir a integrar a equipa da Konecta Portugal.

Por Sónia Bexiga/OJE

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Bruxelas favorável a limite de preço para gás russo

“A Europa enfrenta a chantagem energética da Rússia, e a procura global de gás é mais elevada do que a oferta. Precisamos de trabalhar ao longo de toda a cadeia para enfrentar o desafio. Primeiro, temos de agir no ponto em que o gás entra no nosso mercado. Estamos a negociar com os nossos fornecedores fiáveis de gás de gasoduto. Se isto não trouxer resultados, então é possível um preço máximo”, declarou a comissária.

Governo reconhece necessidade de “valorizar salários” e espera acordo na Concertação Social

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares discursava no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no âmbito da conferência “Em nome do futuro: os desafios da juventude”, organizada pela Santa Casa da Misericórdia e pela Rádio da Renascença.