Fundador da Huawei diz que “o 5G em Espanha será um exemplo para a Europa”

A afirmação de Ren Zhengfei sobre a vizinha Espanha contrasta com as expectativas da Huawei para o 5G em Portugal. “Portugal sempre foi um país pioneiro, mas sinto que isso não está acontecer com o 5G”, afirmou o key account director da Huawei em Portugal, João Matos Maria, num encontro com jornalistas em 5 de dezembro.

Fundador e presidente executivo da Huawei, Ren Zhengfei

O fundador e presidente executivo da Huawei, Ren Zhengfei, disse esta quinta-feira que a rede da quinta geração móvel em Espanha será um exemplo para a Europa. “As redes espanholas serão um exemplo para o Velho Continente”, disse Ren Zhengfei ao “Expansión”, anunciado ainda que a empresa chinesa firmou parceria tecnológica com a espanhola Telefónica para implementar 5G na América do Sul e Europa.

Zhengfei justificou a sua afirmação devido à implantação de redes de fibra ótica em todo o território espanhol, o que permitirá ligar antenas 5G  à rede sem risco de interferências de cobertura.

A afirmação sobre a vizinha Espanha contrasta com as expectativas da Huawei para o 5G em Portugal. “Portugal sempre foi um país pioneiro, mas sinto que isso não está acontecer com o 5G”, afirmou o key account director da Huawei em Portugal, João Matos Maria, num encontro com jornalistas em 5 de dezembro. Para o responsável, Portugal “está a ficar para trás”.

O criador da Huawei foi a Espanha garantir também que apesar do conflito com os EUA, acredita que não surgirá uma cisão no “mundo digital”, à semalhança do que aconteceu na segunda metade do século XX com a existência do Muro de Berlim, que simbolizava a bipolaridade geopolítica entre os países capitalistas e os Estados comunistas.

A Huawei, que é uma das empresas de maior influência em redes de telecomunicações e a segunda maior fabricante de telemóveis (apenas atrás da coreana Samsung), segundo o “Expansión”, foi acusada pelos Estados Unidos de estar ao serviço do governo chinês e, por isso, de ser uma ameaça à cibersegurança dos EUA e dos países aliados. Esta ideia norte-americana, valeu à Huawei uma campanha de pressão por parte de Washington para convencer os países aliados a vetar a presença da Huawei em diversos mercados. Na Europa, a administração Trump não recolheu apoios.

Em Portugal, a Huawei tem acordos e parcerias tecnológicas com as três principais operadoras de telecomunicações (NOS, Vodafone e Altice).

Relacionadas

Como trabalhar na Huawei mudou a vida deles

No início da sua instalação em Portugal há 15 anos, o gigante chinês não empregava mais de 30 pessoas. Hoje são 120. Três engenheiros explicam o que os atrai na empresa.

PremiumPortugueses dão razão à Huawei contra Trump

Mais de metade dos inquiridos acreditam que a proibição de colaboração das gigantes tecnológicas norte-americanas com o fabricante chinês está relacionada com a guerra comercial entre os países e não com risco de espionagem.

China já está a trabalhar no desenvolvimento de redes 6G

As duas grandes operadoras estatais do país, a China Unicom e a China Telecom, revelaram ainda à Xinhua que iniciaram a pesquisa sobre frequências eletromagnéticas extremamente altas, críticas para o desenvolvimento do 6G.
Recomendadas

Digi e Cellnex celebram acordo para instalação de rede 5G em Portugal

Esta é a primeira informação oficial a surgir depois de a Digi ter investido mais de 67 milhões de euros na compra de licenças 5G no leilão da Anacom.

Mastercard quer oferecer soluções tecnológicas de pagamento que incluam criptomoedas

A Economista Responsável pelos Mercados da Europa, Médio-Oriente e África no Instituto Económico da Mastercard, Natalia Lechmanova, mostrou como os hábitos dos consumidores estão a alterar-se nas economias ocidentais, onde “as pessoas estão a dar cada vez mais prioridade às experiências e menos a “coisas”.

Mobilidade Sustentável: conheça a aposta da Schindler

Com a missão de ser cada vez mais sustentável, a Schindler estabeleceu para o ano de 2030 uma redução de 50% nas emissões de gases com efeito de estufa das suas atividades, com base nos dados de 2020.
Comentários