Fundador da Netflix passa a ‘chairman’. Novo co-CEO vai receber três milhões anuais

O fundador da Netflix abandona o cargo de co-CEO e passa o testemunho a Greg PEters, até então COO da gigante do ‘streaming’.

A saída de Reed Hastings da empresa que ajudou a fundar chega no dia em que a empresa apresentou as contas satisfatórias do último trimestre de 2022. O co-CEO, ao lado de Ted Sarandos, despe agora o manto mas mantém-se na empresa, revelou aos acionistas.

Hastings criou a empresa quando esta ainda funcionava pelo envio de DVDs pelo correio. Abandonando o cargo, o fundador passa agora a agir como chairman, o que significa que fica ligado à empresa.

“A nossa administração tem discutido um plano de sucessão há vários anos (os fundadores também precisam de evoluir!). Como parte desse processo, promovemos o Ted [Sarandos] a co-CEO em julho de 2020, e o Greg [Peters] a chefe de operações (COO), e nos últimos dois anos e meio fomos delegando-lhes cada vez mais a gestão da Netflix”, lê-se na carta de despedida assinada por Hastings.

Estes dois anos e meio são descritos por Reed Hastings como um “batismo de fogo, dado o Covid e os recentes desafios no nosso negócio”, referindo-se à perda de subscritores nos últimos trimestres.

“A partir de hoje [19 de janeiro], o Greg Peters vai subir da posição de COO e vai tornar-se co-CEO ao lado do Ted, eu vou passar a ser chairman executivo, um papel de muitos fundadores chegam a desempenhar (Jeff Bezos, Bill Gates, etc) depois de passarem o bastão de CEO para outros”, escreve, notando confiança nas pessoas que escolheu para liderar a Netflix nos próximos anos.

E a despedida de Hastings aconteceu num momento alto para a empresa, que voltou a ver o número de subscritores crescer, com 7,7 milhões de novas pessoas a pagar pelos conteúdos de streaming. Agora, Hastings pode dedicar-se a acompanhar o desenvolvimento das ações da Netflix e também à filantropia, como outros milionários têm feito quando abandonam as suas empresas.

De COO a co-CEO, mais salário e ações no mercado

Pouco se sabe do novo co-CEO da Netflix, que irá liderar a nova legião do streaming ao lado de Sarandos. Greg Peters chegou à empresa em 2008, chegou ao cargo de chefe de operações e a 19 de janeiro recebe o título de CEO.

No cargo de COO, Peters ajudou a gigante a apostar em novos mercados, como os anúncios e os jogos.

O relatório da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos sobre Greg Peters mostra que o novo co-CEO vai receber um salário milionário. Peters vai auferir de um salário anual de três milhões de euros mas o seu contrato estipula bónus e opções de ações.

Greg Peters vai receber uma opção de ações na ordem dos 17 milhões de euros, além de um bónus anual na ordem dos 14 milhões para atingir objetivos. Isto significa que, com o aumento salarial de Peters, o salário de Hastings desce até aos 500 mil dólares, apesar de ir receber 2,5 milhões de dólares em ações.

Recomendadas

Fundação Calouste Gulbenkian apoia projetos de criação artística

Estão abertas, até 31 de março, as candidaturas a apoios da Gulbenkian para projetos de criação artística. Artes Performativas, Artes Visuais e Cinema são as áreas contempladas.

“Um caroço de abacate” eleito melhor filme queer em Clermont-Ferrand

A curta-metragem portuguesa “Um caroço de abacate”, realizada por Ary Zara, venceu hoje o prémio de melhor filme queer do Festival Internacional de Curta-Metragem de Clermont-Ferrand (França), anunciou hoje a organização.

“Re Search TEX REX”: a reutilização têxtil como ponto de partida da exposição de Ana Baleia

A Galeria PLATO, em Évora, apresenta o trabalho desenvolvido pela designer e artista têxtil Ana Baleia no âmbito do ‘upcycling’ têxtil. A arte ao serviço da mitigação dos resíduos têxteis. Um caminho em prol do futuro.
Comentários