Fundo Ambiental vai transferir 86,6 milhões para empresas de transportes

Transferência têm como objetivo financiar as expansões das redes e aquisições de material circulante pelos metros de Lisboa e do Porto e a renovação das frotas da Transtejo e da CP, segundo a versão preliminar do OE 2020.

Metro De Lisboa

Os planos de expansão das redes do Metro de Lisboa e do Metro do Porto vão receber no próximo ano um total de cerca de 60,7 milhões de euros transferido a partir do Fundo Ambiental.

De acordo com a versão preliminar do Orçamento do Estado 2020, a que o Jornal Económico teve acesso, a maior fatia, na casa dos 36,445 milhões de euros, será dirigida do Fundo Ambiental para a expansão da rede do Metropolitano do Porto.

O Fundo Ambiental também, irá transferir 24,228 milhões de euros para financiar o projeto de expansão da rede do Metropolitano de Lisboa.

Ainda para o metro da capital, serão transferidos 10,5 milhões de euros, “para financiamento da aquisição de material circulante e do sistema de sinalização”.

Até ao limite de 3,8 milhões de euros, será igualmente efetuada uma transferência do Fundo Ambiental para a Metro do Porto, S. A., também para financiamento da aquisição de material circulante.

Está também programada uma transferência, até ao limite de 6,544 milhões de euros, do Fundo Ambiental para a Transtejo, S. A., “para financiamento do projeto de renovação da frota” da empresa de transportes fluviais no Tejo.

Por fim, o Fundo Ambiental irá proceder à transferência de uma verba até ao limite de 5,1 milhões de euros para a CP – Comboios de Portugal, E. P. E., “para financiamento da aquisição de material circulante”.

Recomendadas

OE2023: PSD quer atualizar escalões de IRS (com áudio)

Os sociais democratas avançam também com uma taxa máxima de IRS de 15%, para jovens até aos 35 anos, segundo a “TSF”.
catarina_martins_oe_2020

Bloco de Esquerda vota contra o OE2022 caso Governo não faça alterações

A coordenadora do partido, Catarina Martins, lançou este domingo críticas à “bandeira” da reforma do IRS proposta pelo Executivo de António Costa e denunciou a falta de investimento nos serviços públicos. Dirigente bloquista disse ainda que “a proposta ignora a crise energética”.

OE2022: Chega critica PCP e defende que é “o pior momento” para crise política

Ventura deixou um apelo “à responsabilidade de todos”, argumentando que “as pessoas estão um pouco fartas de crises políticas”. “Querem governar a sua vida, não querem que o Governo esteja sempre em sobressalto”, pelo que o Chega espera “que Bloco, PCP e PS se entendam”, frisou.
Comentários