Fundo britânico Permira compra Universidade Europeia e IPAM

O private equity britânico vai pagar 770 milhões de euros pelas cinco instituições do grupo Laureate na Península Ibérica, entre as quais estão as portuguesas Europeia e IPAM.

A Laureate Education, Inc., maior rede de ensino superior privada do mundo, e o private equity britânico Permira fecharam na passada quarta-feira o acordo de compra-venda referente às cinco instituições detidas pelos norte-americanos na Península Ibérica.

O pacote comprado pelo fundo inclui as unidades do Laureate em Portugal – Universidade Europeia e Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) – e as três instituições em Espanha: Universidad Europea de Madrid (UEM), Universidad Europea de Valencia (UEV), Universidad Europea de Canarias (UEC).

A transação soma 871 milhões de dólares, o equivalente a 770 milhões de euros, revelam as partes em comunicado conjunto, estando sujeito à aprovação pelas entidades reguladoras. O processo deverá estar concluída no primeiro semestre de 2019, adiantam.

Do lado da Laureate, a operação foi assessorada pelo banco Goldman Sachs e  juridicamente pela Allen & Overy.  Por seu turno, a Linklaters atuou como consultora jurídica do Permira e o Barclays como consultor financeiro.

Presente em 20  países com mais de 55 instituições de ensino e um milhão de estudantes, a Laureate International Universities é a maior rede mundial de ensino privado universitária. Em agosto, o CEO Eilif Serck-Hanssen tinha anunciado o propósito do grupo de desinvestir na Europa e centrar-se nas regiões mas rentáveis, conforme o Jornal Económico noticiou. “Após a saída bem-sucedida das regiões-alvo, o grupo centrará as suas operações no Brasil, Chile, México e Peru, juntamente com as instituições educacionais que juntam formação presencial e online nos Estados Unidos e na Austrália.”

Recomendadas

Universidade de Évora atribui Honoris Causa ao arquiteto Carrilho da Graça

 O arquiteto João Luís Carrilho da Graça, de 70 anos, vai receber o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Évora (UÉ), numa cerimónia marcada para a próxima terça-feira, anunciou hoje a academia alentejana.
Pedro Saraiva, Vice-reitor da Universidade NOVA de Lisboa

Produtividade aumentará se as empresas interagirem mais com as universidades, diz vice-reitor da NOVA

Pedro Saraiva diz que muitas empresas até produzem já com um grau razoável de inovação, mas menos de 10% o faz em parceria com universidades. E essa é a grande lacuna, que quando ultrapassada contribuirá significativamente para resolver o problema da produtividade.

Laboratórios Colaborativos ultrapassam os 50 milhões de investimento

Segundo a Agência Nacional de Inovação, as empresas representam agora 58,6% dos associados dos laboratórios Colaborativos, que continuam a crescer. Já este ano foram reconhecidos mais seis ‘lab’.
Comentários