Fundo da CGD pede insolvência pessoal do empresário Alfredo Casimiro

Fundo imobiliário Fundimo, da Caixa Geral de Depósitos, tem 973 mil euros a receber da Urbanos, a empresa de transportes detida por Alfredo Casimiro, que é também o principal acionista da Groundforce.

DR

O fundo imobiliário Fundimo, da Caixa Geral de Depósitos, pediu a insolvência pessoal do maior acionista da Groundforce, Alfredo Casimiro, devido a uma dívida de outra empresa por si controlada, a Urbanos, avança o “Expresso”.

De acordo com o semanário, que cita a informação que consta do portal Citius, a ação judicial a pedir a insolvência de Alfredo Casimiro deu entrada a 26 de novembro na Comarca de Lisboa Oeste (Sintra). Tanto a CGD como Alfredo Casimiro não estiveram disponíveis para fazer comentários ao “Expresso” sobre o assunto.

O “Expresso” adianta que, segundo o relatório e contas da Fundimo relativo ao primeiro semestre deste ano, a Urbanos – empresa de transportes controlada por Alfredo Casimiro – era um dos principais devedores ao fundo, com pagamentos em atraso no valor de 973 mil euros.

Além de ser o maior acionista da Urbanos, Alfredo Casimiro controla a Pasogal, empresa que detém 50,01% da Sociedade Portuguesa de Handling, que por sua vez controla a empresa de serviços aeroportuários Groundforce.

Relacionadas

PremiumAviapartners com solução de compra para a Groundforce

Solução em cima da mesa pode levar o grupo belga de handling a comprar a posição de Alfredo Casimiro ao Montepio por 2 milhões de euros. Mas há condições: TAP tem de dar “ok” ao acordo e a litigância deve ser reduzida a zero.

PremiumMontepio continua a tentar vender posição de Casimiro na Groundforce

Há vários potenciais interessados: os belgas da Aviapartner, a Swissport, o Grupo NAS do Kuwait e uma quarta solução que corre por fora, de um grupo ligado ao ex-CEO Paulo Leite.

Plano de recuperação da Groundforce vai avançar

A elaboração do plano fica a cargo dos dois administradores de insolvência, Pedro Pidwell e Bruno Costa Pereira, que vão receber uma remuneração de 25 mil euros cada um para executar a tarefa.

Credores da Groundforce aprovam por unanimidade manutenção da atividade da empresa

Na assembleia desta quarta-feira estavam representados 2.041 credores, cujos créditos ascendem a 137 milhões de euros.
Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.

Restaurantes da AHRESP vão assegurar alimentação dos peregrinos da Jornada Mundial da Juventude

A AHRESP vai apoiar a Fundação na “definição das regras de funcionamento da rede de restaurantes e similares que irão assegurar o fornecimento de refeições para os participantes da Jornada Mundial da Juventude e contactar restaurantes e similares para promover a sua adesão à rede, bem como promover o uso do Guia de Boas Práticas da Restauração e Bebidas junto da rede”, lê-se no comunicado.  
Comentários