Fundo da Explorer Investments investe em empresa de reciclagem de plásticos Micronipol

Esta operação, a primeira realizada pelo Fundo IV da Explorer Investments, tem como objetivo o investimento de capital em empresas-líder que atuem em sectores com elevada capacidade de crescimento, mantendo um foco em critérios ESG. O valor da aquisição não foi revelado.

A Explorer Investments celebrou, através do Fundo Explorer IV, um acordo de aquisição de uma participação maioritária na Micronipol – Micronização e Reciclagem de Polímeros, anunciou a empresa liderada por Elizabeth Rothfield.

Esta operação, que foi a primeira realizada pelo Fundo IV da Explorer Investments, visa “aumentar a capacidade produtiva da Micronipol, expandir os mercados em que opera e otimizar os seus processos e produtos, reforçando ao mesmo tempo a sua estrutura operacional”, segundo um comunicado.

O valor da aquisição não foi revelado.

Esta transação faz parte da estratégia de investimento do Fundo Explorer IV que tem como objetivo o investimento de capital em empresas-líder que atuem em sectores com elevada capacidade de crescimento, mantendo um foco em padrões de ESG (Environmental, Social and Governance).

A Micronipol é uma das empresas líderes de reciclagem de plásticos em Portugal, em particular, na reciclagem de resíduos de polietileno (PE) e polipropileno (PP). Fundada em 2000, com unidade industrial localizada em Ourém, é uma das empresas líderes de reciclagem de plásticos em Portugal, em particular, na reciclagem de resíduos de polietileno (PE) e polipropileno (PP). O volume de negócios foi cerca de nove milhões de euros em 2019, “tendo sofrido ligeiramente em 2020, fruto do Covid-19”, diz a Explorer em comunicado.

“Para 2021 o volume de negócios está em linha para ser o melhor ano de faturação da empresa”, prevê a sociedade que gere fundos de recuperação.

Com capacidade produtiva para cerca de 15 mil toneladas por ano e com 44 trabalhadores, a Micronipol produz granulado de plástico reciclado para diversas aplicações, como sejam a extrusão de tubo ou filme ou ainda para injeção de plástico. Atualmente, a empresa exporta cerca de 30% das vendas maioritariamente para a Europa, segundo o comunicado.

“É expectável que o sector de reciclagem de plástico continue a percorrer um trajeto de crescimento sustentado nos próximos anos alicerçado pelas metas nacionais e europeias definidas para o sector, pela consciência de todos os intervenientes na cadeia de valor dos temas de sustentabilidade e economia circular e, por último, pela inovação tecnológica no processo de reciclagem”, explica a Explorer, que defende que a “Micronipol goza de um posicionamento único para vir a capturar o crescimento esperado do sector”.

“A Explorer Investments orgulha-se de poder fazer parte deste projeto em conjunto com os acionistas fundadores, que permanecerão na equipa de gestão executiva e no capital da empresa”, diz ainda a empresa.

A Explorer Investments foi criada em 2003 por Rodrigo Guimarães e Elizabeth Rothfield. É uma “sociedade gestora independente de activos alternativos”.

A Explorer gere e assessora fundos com activos superiores a 1,4 mil milhões de euros, divididos em quatro áreas de negócio: private equity, capital de Expansão, turismo e imobiliário.

Recomendadas

Trabalhadores da Autoeuropa rejeitam pré-acordo laboral que previa aumento de 5,2%

Dos mais de cinco mil trabalhadores da fábrica de automóveis da Volkswagen, em Palmela, no distrito de Setúbal, só 3.865 exercerem o direito de voto, 2.007 dos quais votaram contra o pré-acordo e 1.826 a favor. Houve ainda 10 votos nulos e 22 brancos.

Governo apela a entendimento entre sindicato e administração da TAP para evitar greves

“O apelo que posso fazer é para que a administração, mas também o sindicato faça um esforço de entendimento e que se consiga poupar a TAP a mais cinco dias de greve”, afirmou Pedro Nuno Santos.

Datalex prevê levar software para advogados a Espanha e Brasil no próximo ano

O diretor da startup portuguesa Datalex disse ao Jornal Económico que a internacionalização passará por parcerias estratégicas. A empresa de tecnologia para juristas renovou recentemente a imagem de marca para apostar noutros mercados e prevê fechar 2022 com uma subida de até 62% na faturação.
Comentários