Fundo Monetário Europeu e ‘super-ministro’ chegam em 2019

“A questão da convergência é fundamental porque é isso que vai dar mais força ao euro e vai aproximar os cidadãos”, disse Moscovici na apresentação do pacote de medidas de reforço do euro.

A criação de um Fundo Monetário Europeu (FME) e de um ministro da Economia e das Finanças da zona euro, em forma de teste e até 2019, estão entre as principais propostas da Comissão Europeia para a reforma do euro. Na apresentação feita esta quarta-feira, o comissário europeu Pierre Moscovici defendeu a convergência dos países da moeda única como forma de impulsionar o crescimento económico.

“A Comissão Europeia acredita convictamente que o euro é um fator de unidade”, disse Moscovici. “O euro não deve dividir, deve unir o continente. É um motor económico sólido e a união económica monetária é o motor da nossa prosperidade comum”.

“O futuro da Europa é o euro e o futuro do euro é a Europa”, afirmou, defendendo uma abordagem inclusiva que reduza as desigualdades entre os vários países. “A questão da convergência é fundamental porque é isso que vai dar mais força ao euro e vai aproximar os cidadãos”, disse.

Segundo a visão da Comissão, que terá ainda de ser debatida na cimeira do euro que se realiza a 15 de dezembro, o ministro Europeu da Economia e das Finanças poderia exercer os cargos de vice-presidente da Comissão e de presidente do Eurogrupo, tal como possibilitado pelos atuais Tratados da União Europeia (UE).

Em comunicado, a comissão explicou que, “se for alcançado um entendimento comum sobre o papel do ministro até meados de 2019, este cargo poderia ser criado no âmbito da constituição da próxima Comissão”. O Eurogrupo poderia então decidir igualmente eleger o ministro como seu presidente para dois mandatos consecutivos, alinhando assim os dois mandatos.

Já o FME teria por base a arquitetura do atual Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), “preservando o essencial das estruturas financeiras e institucionais, nomeadamente no que diz respeito ao papel desempenhado pelos parlamentos nacionais”. Assim, continuaria a assistir os Estados-Membros da área do euro “em situação financeira difícil”, explicou a Comissão.

Além da criação do FME e do ministro das Finanças, a Comissão propõe a criação de novos instrumentos orçamentais para assegurar a estabilidade da área do euro no âmbito da União.

Em particular, a UE considera que devem ser asseguradas quatro funções específicas: apoio aos Estados-Membros para a execução de reformas estruturais através de um instrumento de execução das reformas e de apoio técnico a pedido dos Estados-Membros; um mecanismo específico de convergência para assistir os Estados-Membros no seu processo de adesão ao euro; um mecanismo de apoio à União Bancária, através do FME/MEE, a acordar até meados de 2018 e a entrar em funcionamento até 2019; e uma função de estabilização para manter os níveis de investimento em caso de grandes choques assimétricos.

De fora ficou uma das propostas mais polémicas: a criação de um orçamento conjunto para os países da zona euro. A ideia tem sido especialmente defendida pelo presidente de França, Emmanuel Macron, que via o orçamento comum a ser financiado através de impostos.

Questionado sobre não existir nenhuma referência a esta questão, o vice-presidente da Comissão Europeia Valdis Dombrovskis respondeu: “Creio que fomos muito claros, não temos a intenção de propor um orçamento separado para a área euro”.

O pacote de propostas servirá de base à discussão entre os vários Estados-membros, que irá culminar na Cimeira da zona euro, da próxima semana. Apesar de as medidas concretas terem sido conhecidas apenas esta quarta-feira, vários responsáveis já tinham feito declarações públicas em que deram a entender as ideias que defendem, mas também que há incompatibilidades entre os projetos de uns e de outros.

“Este é um pacote importante. É um marco para esta Comissão”, disse ainda Moscovici, acrescentanto que são ainda necessárias reformas antes de aumentar a partilha de riscos entre os países da moeda única.

[Notícia atualizada pela última vez às 12h42]

Relacionadas

Entre a pressão francesa e alemã, reforma do euro pode enfrentar dificuldades

Comissão Europeia apresenta hoje plano de integração da moeda única. A criação do Fundo Monetário Europeu, um novo Parlamento só para os países da moeda única e um super-ministro das Finanças são algumas das ideias que tem sido defendidas (e criticadas) nos últimos meses.

Grécia e reforma do euro: os dois grandes desafios de Centeno no Eurogrupo

“O grande desafio para o futuro será o de gerir o processo de reforma da União Económica e Monetária com base nas propostas que a Comissão europeia apresenta já esta quarta-feira”, avisou o comissário europeu Carlos Moedas.
Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a recuar e clima económico aumenta em novembro

De acordo com os ‘Inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores’ do Instituto Nacional de Estatística (INE), “o indicador de confiança dos consumidores diminuiu entre setembro e novembro, apenas marginalmente no último mês, atingindo um valor próximo do registado em abril de 2020 no início da pandemia”.

Juros da dívida de Portugal caem a dois, a cinco e dez anos

Às 08:35 em Lisboa, os juros a dez anos baixavam para 2,823%, contra 2,916% na segunda-feira.

Assembleia Municipal do Porto aprova orçamento para 2023 (com áudio)

O orçamento da Câmara do Porto para 2023, que contempla um aumento de 20,9% face a 2022, o equivalente a 66,8 milhões de euros, foi aprovado com os votos favoráveis dos eleitos do movimento independente “Aqui Há Porto”, do PSD e do Chega.
Comentários