PremiumFundo ‘Property Core’ captou 18 milhões de euros no primeiro ano

Lançado em 2020, numa parceria entre a Square AM e o Banco Best, este mecanismo espera investir 80% do capital até 2022. Maioria dos subscritores é portuguesa, e 60% deles residem na Grande Lisboa.

Um ano após terem lançado o ‘Property Core Real Estate Fund’, o primeiro fundo imobiliário aberto em Portugal dos últimos 15 anos, a gestora de ativos Square AM e o Banco Best fazem um balanço dos resultados obtidos. Em entrevista ao Jornal Económico (JE), Pedro Coelho, vice-chairman da Square AM, e Carlos Almeida, diretor de investimentos do Banco Best, olham ainda para o futuro do sector em 2022, os Vistos Gold e o impacto da instabilidade política.

Que balanço fazem do primeiro ano deste fundo?
Pedro Coelho: Isto foi um projeto em parceria com o Banco Best, onde procurámos desde o início que o montante mínimo de subscrição fosse de 100 euros. Acho que é um sinal importante para o mercado, por várias razões: a primeira é permitir que uma faixa da população que tem pequenas poupanças possa investir no fundo. A vantagem de um fundo mútuo é que o participante de 100 euros tem a mesma rentabilidade de um que meta 100 mil euros. Do nosso lado, o fundo passou os 18 milhões de euros, ainda não está todo aplicado– temos cerca de 50% investido e esperamos chegar ao fim do ano com cerca de 80% – e com uma rentabilidade já muito competitiva, quando comparada com os outros fundos abertos do mercado.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.
Comentários