PremiumFundo ‘Property Core’ captou 18 milhões de euros no primeiro ano

Lançado em 2020, numa parceria entre a Square AM e o Banco Best, este mecanismo espera investir 80% do capital até 2022. Maioria dos subscritores é portuguesa, e 60% deles residem na Grande Lisboa.

Um ano após terem lançado o ‘Property Core Real Estate Fund’, o primeiro fundo imobiliário aberto em Portugal dos últimos 15 anos, a gestora de ativos Square AM e o Banco Best fazem um balanço dos resultados obtidos. Em entrevista ao Jornal Económico (JE), Pedro Coelho, vice-chairman da Square AM, e Carlos Almeida, diretor de investimentos do Banco Best, olham ainda para o futuro do sector em 2022, os Vistos Gold e o impacto da instabilidade política.

Que balanço fazem do primeiro ano deste fundo?
Pedro Coelho: Isto foi um projeto em parceria com o Banco Best, onde procurámos desde o início que o montante mínimo de subscrição fosse de 100 euros. Acho que é um sinal importante para o mercado, por várias razões: a primeira é permitir que uma faixa da população que tem pequenas poupanças possa investir no fundo. A vantagem de um fundo mútuo é que o participante de 100 euros tem a mesma rentabilidade de um que meta 100 mil euros. Do nosso lado, o fundo passou os 18 milhões de euros, ainda não está todo aplicado– temos cerca de 50% investido e esperamos chegar ao fim do ano com cerca de 80% – e com uma rentabilidade já muito competitiva, quando comparada com os outros fundos abertos do mercado.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Grupo SATA integra projeto Cluster Grace Açores

Associados e membros do cluster partilham boas-práticas e desenvolvem sinergias com o objetivo de colocar os temas da Agenda 2030, 2050 e ESG (Environmental, Sustainability and Governance) como prioritários nas agendas das empresas.

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.
Comentários