Fundos da UE não resolvem problemas do desemprego nas autarquias

De acordo com um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, as autarquias da região Norte e Centro são as mais influenciadas pelos fundos europeus.

Fundos europeus fazem aumentar desemprego, informa o Jornal de Notícias esta quarta-feira. De acordo com um estudo, receber mais dinheiro não significa criação de mais empresas e emprego.

As autarquias que privilegiam a quantidade de dinheiro, ao invés da diversificação do investimento, têm piores resultados. Esta é uma das conclusões retiradas do estudo “O Impacto Económico dos Fundos Europeus: A Experiência dos municípios portugueses”, encomendado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e que é apresentado esta quarta-feira, no Centro Jean Monnet, em Lisboa, pelas 18h.

De acordo com José Tavares, um dos autores do documento, receber mais dinheiro da União Europeia (UE) tem como efeito prejudicial diminuir o número de empresas e fazer aumentar o desemprego, sobretudo o de curto-prazo. As regiões Norte e Centro são as mais influenciadas pelos fundos europeus.

O estudo baseou-se no valor e na diversificação dos fundos aplicados por cada município e procurou uma relação de causa e efeito entre esses dados e a criação liquida de empresas e o desemprego.

Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

TAAG recebe aviso de greve dos pilotos com início a 7 de outubro

O Sindicato de Pilotos de Linha Aérea (SPLA) decretou uma greve a partir de 7 de outubro, tendo já sido enviado o aviso de greve à TAAG – Linhas Aéreas de Angola na sexta-feira, anunciou este sábado a companhia aérea angolana.

Infraestruturas de Portugal registou lucro de 32,4 milhões no primeiro semestre

Este valor significa uma recuperação de 71,3 milhões de euros em comparação com os prejuízos de 38,9 milhões de euros verificados no mesmo período de 2021.
Comentários