Futebol: sucesso dos clubes já não depende apenas das vitórias

A agência de rating DBRS analisou os principais fatores de risco dos clubes de futebol europeus, em relação à evolução dos modelos de negócios que, pelo menos para os clubes de topo, tende a não estar estritamente relacionado com o desempenho desportivo.

A importância económica do futebol cresceu a um ritmo constante ao longo dos últimos 20 anos, atingindo um recorde de 5,9 mil milhões em receitas em 2015/2016, para os 20 melhores clubes da Europa (um aumento de 12% em relação à temporada anterior). De acordo com a Deloitte, espera-se que o mercado europeu exceda os 25 mil milhões de euros na temporada de 2016/2017.

A agência de rating DBRS analisou os principais fatores de risco dos clubes de futebol europeus, em relação à evolução dos modelos de negócios que, pelo menos para os clubes de topo, tende a não estar estritamente relacionado com o desempenho desportivo.

Os principais fatores de risco do negócio são a popularidade do desporto, a força da marca, a estabilidade e diversificação das receitas, a eficiência operacional e apoio e governança da liga.

Popularidade desportiva e força da marca

A popularidade e a marca da equipa, apoiada por uma forte base de fãs, podem potencialmente gerar fortes vendas de bilhetes (fósforo
receitas) e venda de merchandising, mesmo durante períodos mais fracos.

A popularidade global do futebol é um indicador importante da capacidade do clube para gerar receita através de patrocínios, transmissões televisivas, venda de bilhetes e merchandising.

Fonte: Deloitte

 

Estabilidade e diversificação da receita

A DBRS considera que a estabilidade da receita e a sua diversificação são aspectos fundamentais na avaliação da credibilidade dos clubes de futebol.

O modelo de negócio dos clubes evoluiu significativamente nas últimas décadas. Com as receitas provenientes dos bilhetes dos jogos, acompanhado de um forte desempenho no campo, o modelo de negócio tornou-se mais diversificado, como mostra a
repartição dos fluxos de receita mostrada na tabela acima.

As receitas provenientes dos fãs e patrocinadores foram impulsionadas ao longo dos últimos anos pela criação de um forte departamento de marketing, e foco na venda de merchandising.

As oportunidades que surgiram em novos mercados, especialmente no Médio Oriente, e América do Norte, levaram alguns clubes a repensar a sua marca – em alguns casos, como a Juventus, mudando completamente seu logótipo – para fortalecer a marca global. Sob este modelo de negócio diferente, os fãs tornaram-se clientes e, no caso dos clubes que completaram um oferta pública inicial, investidores.

O Manchester United no Reino Unido, Juventus, Roma e Lazio em Itália e o Olympique Lyonnais em França estão agora listados publicamente como empresas e muitos fãs apoiam esses clubes ao investir em ações. Os clubes que conseguiram desenvolver uma marca icónica e global no passado (Real Madrid, Manchester United, Barcelona) através das conquistas dentro das quatro linhas, têm agora patrocinadores significativos (patrocínio de camisolas, companhias aéreas), além de fortes contratos internacionais, nacionais, e locais de transmissão.

Novas fontes de receita foram identificadas além das vendas de bilhetes graças à introdução de novos produtos, como canais de televisão específicos dos clubes. Fontes adicionais de receitas provenientes de conteúdos e contratos de media digital também se têm tornam cada vez mais importantes nos últimos anos. Por exemplo, o Manchester United lançou recentemente uma aplicação para o seu canal de TV – o MUTV -, em mais de 160 países.

O Facebook assinou um acordo com a La Liga, a principal liga espanhola, para transmitir jogos de graça, em streaming.  Esta estratégia pode permitir ao Facebook aumentar a sua base de clientes, além de atrair novos. Os patrocinadores podem também beneficiar das análises da plataforma para orientar de forma estratégica os anúncios.

 

O modelo de negócios dos clubes de futebol evoluiu. O desempenho no campo é agora apenas mais um fator, umas vez que os modelos de negócios estão mais complexos e mais diversificado.

A DBRS acredita que no futuro os clubes vão buscar dinheiro de várias formas, como ações e emissões de dívida), como consequência da crescente importância económica do futebol e dos modelos de negócios mais sofisticados. A agência de rating vê a popularidade das ligas e das forças das marcas de uma equipa como fundamentais na avaliação do risco de crédito, pois impulsiona fortes fluxos de receita contratuais durante períodos de baixo desempenho no campo.

A estabilidade e a diversificação das receitas são aspectos fundamentais na avaliação da capacidade de crédito dos clubes de futebol. A DBRS vê positivamente os mecanismos que muitas ligas adotaram para garantir a rentabilidade da equipa e a capacidade das ligas nacionais em negociar (com êxito) contratos lucrativos de transmissões televisivas. A previsibilidade e a diversificação de fontes de receita próprias são importantes fatores na avaliação do risco de crédito de um estádio.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Portugal é o terceiro favorito a ganhar o Mundial, prevê casa de apostas

Após o triunfo por 6-1 frente à Suíça, resultado que colocou Portugal no caminho de Marrocos nos quartos-de-final do Mundial, a Seleção comandada por Fernando Santos é agora a terceira favorita a ganhar a competição, empatada com a Argentina e a Inglaterra.

Respostas Rápidas: Que jogadores de Portugal mais podem valorizar neste Mundial?

Da baliza ao ataque, da Luz ao Dragão passando por Madrid, a prestação da Seleção portuguesa no Mundial pode dar muito a ganhar em 2023, sobretudo aos clubes que “emprestam” os seus melhores ativos para a prova de seleções de excelência a nível mundial. Saiba que jogadores poderão sair mais valorizados com a promessa das milhões para o fecho de contas do primeiro semestre da temporada.
Comentários