Emprego: futuro obriga a novas estratégias

A gestão de recursos humanos será uma área fundamental nas empresas, considera o investigador Nuno Boavida.

Como antevê o futuro do trabalho em Portugal na perspetiva da interação homem-máquina?
Existe uma crescente preocupação em relação ao impacto no mundo do trabalho desta nova vaga de tecnologias, tais como a inteligência artificial, robotização, automatização. Infelizmente, é difícil antever o impacto da introdução destas tecnologias na realidade portuguesa. Uma investigação desenvolvida em 2016 por António Moniz e Bettina Krings, na Universidade Nova de Lisboa e no Kalrsruhe Institute of Technology, revelou que a Roménia e Portugal são os países da Europa com mais postos de trabalho em risco devido a processos de computorização. Está em curso a elaboração, pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, de uma agenda de investigação sobre o problema.

… e nas relações empregador-empregado?
A introdução de novas tecnologias nas sociedades contemporâneas parece ter o efeito de concentrar grandes quantidades de capital num número muito reduzido de pessoas. As empresas mais valiosas do planeta são hoje as tecnológicas, destronaram as petrolíferas e detêm imenso poder, como se pode observar pelos abusos de posição maioritária nos mercados onde operam, evitando pagar impostos e recorrendo à mão de obra mais barata e desprotegida para desenvolverem as suas operações. Estas novas tecnologias podem também tornar obsoletas muitas qualificações e competências existentes em vastas camadas da força laboral, tornando-as incapazes de viver do seu trabalho. Existe, portanto, a necessidade de reequilibrar este efeito de desigualdade social a nível nacional e supranacional, e de reorganizar as estruturas representativas dos trabalhadores e empregadores. Para melhorar a produtividade e qualidade nas empresas será imperativo elaborar novas estratégias de gestão de recursos humanos. As empresas que já instalaram processos automatizados estarão melhor posicionadas, pois sabem como o envolvimento humano é central.

Recomendadas

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.

Reformas antecipadas de pessoas com deficiência vão ter condições mais favoráveis

O Governo aprovou esta tarde as regras do regime mais favorável de antecipação da idade da reforma para as pessoas com deficiência. Nestes casos, não são aplicados cortes.
Comentários