PremiumFuturo da hotelaria passa pelos dados e pela adoção de tecnologia

O sector do turismo tem de investir na tecnologia para tornar as operações mais eficientes e sustentáveis, mas também para proporcionar melhores experiências aos clientes. Financiamento e escassez de talento são desafios a enfrentar.

O futuro da hotelaria passa pela utilização de tecnologia, por sistemas de recolha e tratamento de dados que permitam tornar as operações mais eficientes e sustentáveis, mas também para melhorar a experiência dos clientes. Para os participantes na conferência sobre “Turismo Sustentável, Hotelaria e Mobilidade”, promovida pelo Jornal Económico e pela Schneider Electric Portugal, a adoção da tecnologia é o grande desafio que se coloca ao sector. A pandemia de Covid-19 acelerou processos, desde logo para responder às necessidades de segurança, mas ainda há caminho a fazer.

“A tecnologia teve, tem e vai ter cada vez mais um papel fundamental naquilo que será o futuro e a sustentabilidade da hotelaria”, afirma Ricardo Campos, diretor de Operações do Grupo Visabeira. Esta tendência é inescapável, por causa da eficiência, mas também por causa dos objetivos relacionados com a sustentabilidade das operações.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.

NOS avança com dados móveis ilimitados nos novos cartões móveis com pagamento em fatura

“A NOS oferece dados móveis ilimitados até ao final do ano a todos os clientes com novos cartões móveis com pagamento em fatura”, refere a operadora em comunicado.

Explorer atribui bolsas de mérito a estudantes da Nova SBE. Vai doar 10% do lucro a programas de educação

A parceria surge no âmbito da política de investimento responsável da Explorer Investments, que vai doar anualmente 10 % do seu lucro para apoiar programas de educação e que tem por base o mérito e a excelência.
Comentários